Tite exige raça e luta dos corintianos

?Queremos um técnico. Não um filósofo? ? estava estampado em uma das faixas do Olímpico quando Tite caiu em desgraça no Grêmio. A partir de hoje, ele tentará novamente mostrar que é um treinador efetivo. ?O Corinthians irá resgatar sua dignidade abalada nesses últimos jogos. Pode até ser que não consiga o resultado contra o São Paulo. Mas irá atuar de maneira que combine com sua história de raça e luta. É isso que o corintiano quer e vai ter no Morumbi?, promete. A maneira que o treinador entende ser a melhor para tentar surpreender serão os contragolpes em velocidade pelas laterais do campo. Optou por colocar Rogério e Renato no meio e escalou como alas Coelho e Zé Carlos. ?O São Paulo deverá tentar ter a iniciativa da partida. Até pelo melhor momento que vive. Será ótimo porque o Corinthians se aproveitará para atuar no espaço quando roubar a bola?, afirma Rogério. Sem Rincón, contundido, o Corinthians tentará utilizar a velocidade no meio-de-campo. Um dos maiores erros da equipe no comando de Oswaldo de Oliveira era a inutilidade da excessiva troca de passes no meio-de-campo. ?Precisamos ser objetivos. Quando conseguir ter a bola, a ordem é tentar fazer a jogada e dificultar a marcação adversária. Não adianta ficar tocando do lado e perder tempo?, diz Marcelo Ramos. Se o ataque está animado, a defesa terá pela frente um grande desafio. Assumindo três zagueiros, Tite pretende resgatar a confiança abalada dos corintianos. ?É péssimo saber que somos a defesa mais vazada do País?, desabafa Ânderson. Os 19 gols sofridos em sete partidas irritam a todos. Contra o Atlético Paranaense no jogo passado, a derrota foi por 5 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.