Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Tite fica satisfeito com criatividade do Brasil e prevê 'dor de cabeça' em próxima convocação

Treinador afirma que a ideia é que a equipe tenha no ataque a mesma solidez que apresenta na defesa

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2021 | 01h27

O desempenho da seleção brasileira na vitória por 2 a 0 sobre o Peru na Arena Pernambuco agradou Tite. O treinador ficou especialmente satisfeito com a melhora no processo criativo, um problema que ele já havia admitido que o incomodava. O treinador afirmou na entrevista coletiva após a partida que a ideia é que a equipe tenha no ataque a mesma solidez que apresenta na defesa. 

O técnico entende que o time está em evolução e ficou contente com as opções que ganhou a partir dos desfalques, quase todos eles em razão do veto dos clubes ingleses. Essa proibição de atletas que atuam na Inglaterra de servir a seleção brasileira acabou sendo boa para atletas como Gerson, por exemplo, que aproveitou a oportunidade e fez um bom jogo diante dos peruanos.

"Estamos num processo de construção. De oportunidade de atletas jovens, de formação de sistema diferente, de usar atacantes que atacam o espaço, outros que são mais construtores. Encontrando essas opções mais criativas, principalmente do meio para frente,  é ajustar esse processo todo e mantendo essa solidez defensiva para que a equipe possa evoluir", avaliou o técnico, ao discorrer sobre os ajustes que precisa fazer para que a seleção chegue à Copa do Catar em sua plenitude.

Também presente na coletiva, o auxiliar Cléber Xavier endossou a opinião de Tite e elogiou a qualidade do gramado, fundamental, segundo ele, para a performance no Recife.

"Nos agradou muito. A equipe com dois externos criadores, Paquetá pela esquerda e Everton pela direita. Jogando juntos pela primeira vez esses atletas conseguiram ter um grande desempenho. Tivemos tempo para ajustar as peças e o campo foi fundamental para esse tipo de jogo. Saímos daqui felizes com as oportunidades dadas aos atletas e ao por mais essa ideia. Como o Tite disse, é um processo que a gente vem trabalhando para buscar principalmente na questão criativa um equilíbrio maior", ressaltou.

Nestas rodadas de setembro das Eliminatórias, Everton Ribeiro certamente é o que sai com mais moral. O jogador do Flamengo aproveitou a chance que lhe foi dada e ganhou pontos com Tite ao marcar gols contra Chile e Peru. A próxima convocação será dia 17 deste mês, provavelmente com os atletas que jogam na Inglaterra e haviam sido impedidos de atuar em setembro, mas também com jogadores de clubes brasileiros. 

"Vou repetir pra imprensa o que eu falei pra eles: joga muito no seu clube, desempenhe em alto nível. Concorrência em alto nível eleva o jogador. Teremos dificuldade de convocação.  Vou repetir uma máxima de um diretor meu no Caxias. Jogador bom, qualquer escolha tua tu vai acertar", comentou o treinador, já ansioso pela "dor de cabeça" com a qual terá de lidar.

"Será dor de cabeça, muita. Faz parte do nosso trabalho. Não uso mais termo merecimento, porque pode ser pra mim mas pra ti pode ter uma visão diferente. Dentro de uma ideia de futebol, dor de cabeça boa para adotar esse critério, com uma ideia do futebol e com atletas que fazem parte (do planejamento)", acrescentou.

Na entrevista, Tite também falou sobre o desempenho da dupla Gabigol e Neymar. O camisa 10 marcou o gol que selou o triunfo no Recife e se tornou o maior artilheiro do Brasil em Eliminatórias, ultrapassando Romário e Zico.

"Neymar jogou do mesmo jeito que jogou contra o Chile, ia jogar contra a Argentina... Temos privilegiado ele que é um jogador diferente. Processo criativo. Não vou ficar tolhendo. Tem liberdade. Inclusive com Gabriel Barbosa fazendo compactação. Gabriel fez um grande jogo então tem essa combinação e ele (Neymar) joga do mesmo jeito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.