Lucas Figueiredo/ CBF
Lucas Figueiredo/ CBF

Tite justifica a convocação de Gabriel Menino: 'Um lateral meio-campista'

Garoto de apenas 19 anos foi chamado para ser um dos laterais, apesar de estar sendo utilizado como meio-campista no Palmeiras

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2020 | 16h49

Em grande fase no Palmeiras, Gabriel Menino foi uma das surpresas da lista de convocados por Tite para os dois primeiros jogos da seleção nas Eliminatórias da Copa do Mundo do Catar, marcados para o próximo mês. O garoto de apenas 19 anos foi chamado para ser um dos laterais, apesar de estar sendo utilizado como meio-campista na equipe paulista. Para Tite, a variação de funções não atrapalha e pode inclusive servir para ampliar suas possibilidades em termos táticos.

"Buscamos uma série de informações importantes a respeito do Gabriel Menino. Ele vem jogando, sim, no meio campo no Palmeiras, porém sendo utilizando também como lateral. Ele teve sete jogos na posição, e teve na base a sua formação como lateral", explicou o técnico, durante coletiva de imprensa virtual realizada na tarde desta sexta-feira.

"Em termos táticos, me perguntaram (em outro momento) se o Dani Alves jogando no meio no São Paulo trazia algum prejuízo, e eu falei que o Dani Alves fazia uma função de armação no São Paulo, que também era uma função que exercia na seleção. O inverso serve para o Gabriel Menino. Ele trabalha no centro, vai jogar na lateral, porém sua função ofensiva vai ser de articulador dentro da seleção, similar ao Palmeiras", complementou Tite.

O treinador classificou Gabriel Menino como "um lateral meio-campista", e disse que a comissão técnica da seleção acompanhou 12 jogos do atleta desde que o futebol foi retomado no País, sendo quatro desses in loco. "É um novo talento surgindo numa posição importante."

OUTRAS MUDANÇAS

Chamou a atenção principalmente a ausência do meio-campista Arthur, que vinha sendo figura contumaz nas listas de convocados. Entre uma convocação e outra, ele perdeu espaço no Barcelona e foi negociado com a Juventus. "A não convocação dele esteve diretamente ligada aos quase três meses de inatividade. Nas últimas nove rodadas do Barcelona, ele não esteve presente", explicou Tite.

Arthur acabou deixando o clube catalão no meio do ano, e sua saída foi conturbada. Tite, porém, negou que isso tenha influenciado de alguma forma. "Não teve aspecto disciplinar envolvido. Isso é coisa de clube", afirmou, acrescentando que o jogador "certamente" está no radar da seleção.

O treinador também teceu elogios ao atacante Rodrygo, do Real Madrid, e ao zagueiro Rodrigo Caio, do Flamengo. Eles não figuravam na lista de março, mas foram incluídos agora na lista dos 23 chamados.

"Rodrygo tem qualidade técnica. A técnica dele é muito apurada, é um talento que vem crescendo, que vem adquirindo seu espaço dentro do Real", considerou. Sobre o defensor rubro-negro, o técnico destacou a regularidade do jogador. "A gente tem confiança, todo um histórico de seleção, o que nos deixa muito confortáveis e tranquilos. Ele merece."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.