Walled Ali/Reuters
Walled Ali/Reuters

Tite mantém mistério e não divulga escalação do Brasil para encarar a Argentina

Treinador deixou a imprensa acompanhar apenas os 15 minutos iniciais do treinamento

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2018 | 14h58

A seleção brasileira realizou nesta segunda-feira o seu último treinamento antes do amistoso contra Argentina, nesta terça, no estádio The King Abdullah Sports City, em Jeddah, na Arábia Saudita, e o técnico Tite resolveu manter o mistério dos dias anteriores e preferiu não divulgar a escalação da equipe titular. Apenas os primeiros 15 minutos da atividade, período em que os jogadores fizeram aquecimento, foram abertos para os jornalistas.

"Eu não me sinto muito confortável porque não é a minha praia, mas em algumas circunstâncias é importante. Não quero, se não tenho os atletas definidos, dar ao adversário a oportunidade de conhecer a escalação, até neste momento em que não temos esquema definido", disse Tite em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

Apesar do mistério, há algumas alterações praticamente certas na seleção. O goleiro Ederson sairá para a volta do titular Alisson, assim como o lateral-direito Danilo e o zagueiro Miranda ocuparão os respectivos lugares que foram ocupados por Fabinho e Pablo contra a Arábia Saudita na última sexta-feira. Outras duas mudanças prováveis são as entradas de Filipe Luís na ala esquerda e de Roberto Firmino no ataque, o que deverá provocar as idas de Alex Sandro e Gabriel Jesus para o banco de reservas.

Outro que aparece como candidato a entrar como titular contra a Argentina é o volante Arthur. O ex-gremista tem chance de ser escalado no lugar de Fred, outro que foi titular na última sexta-feira. O treinador também conversou com Gabriel Jesus, que desencantou ao marcar o primeiro gol da vitória por 2 a 0 sobre a Arábia Saudita após passar em branco em todas as cinco partidas que fez na Copa do Mundo da Rússia.

Desta forma, uma provável escalação do Brasil para o amistoso desta terça-feira é a seguinte: Alisson; Danilo, Marquinhos, Miranda e Filipe Luís; Casemiro; Arthur, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Neymar; Roberto Firmino.

No lado argentino, o craque Lionel Messi está fora - como aconteceu nos três amistosos anteriores contra Guatemala, Colômbia e Iraque -, pois fez um pedido para não ser mais convocado até o final deste ano após a decepcionante campanha na Copa do Mundo.

Tite lamentou a ausência do jogador do Barcelona no amistoso. "Sempre (preferia o Messi em campo). A gente rivaliza com Argentina ou Alemanha porque eles também têm grande qualidade. Gostaríamos que fosse com, mas a ausência dele não vai tirar o brilho do jogo", afirmou o treinador, que está com o pensamento no ano que vem, quando será disputada a Copa América em solo brasileiro.

"O jogo (contra a Argentina) faz parte da preparação para a Copa América. Optamos por não convocar 23 jogadores novos para que a equipe não fique descaracterizada. Tomara que agora a gente tenha o carinho da torcida, como já teve no último jogo", completou Tite.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.