Vanderlei Almeida/AFP
Vanderlei Almeida/AFP

Tite não terá Neymar pela primeira vez

Na Venezuela, técnico enfrenta obstáculo que atormentou os seus antecessores

Ciro Campos, enviado especial a Natal, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2016 | 07h00

O técnico Tite terá na Venezuela o obstáculo que atormentou os seus antecessores no comando da seleção. Jogar sem Neymar, suspenso para a partida em Mérida, pelas Eliminatórias da Copa, é outro grau de dificuldade para desafiar o bom momento da equipe.

Nas três últimas eliminações do Brasil em competições oficiais o time não tinha Neymar em campo. Por isso, há sempre a dúvida se a exemplo da última Copa do Mundo e das duas recentes Copas Américas o rendimento possa cair, mesmo que a criação ofensiva não dependa tanto somente do talento do atacante do Barcelona.

“É claro que o Neymar é o grande nome, é acima da média e vai fazer muita falta. Mas temos o (Philippe) Coutinho, que está entrando muito bem, o Willian, o Oscar. Temos ótimas reposições”, explicou o meia Renato Augusto.

O favorito para começar como titular é Willian. O meia do Chelsea substituiu Neymar no jogo com a Bolívia, na quinta-feira, em Natal, e foi titular nas duas primeiras partidas sob o comando do treinador, em setembro, contra Equador, em Quito, e diante da Colômbia, em Manaus.

O desfalque do principal jogador justamente no melhor momento dele nas Eliminatórias (três gols nos últimos três jogos) apresenta para Tite, por sua vez, a possibilidade de testar novas formações diante do adversário mais frágil.

A Venezuela está em último lugar, com somente dois pontos, e não ganhou um jogo sequer nestas Eliminatórias. Apesar da campanha, quase ganhou da Argentina no último mês, em Mérida, após fazer 2 a 0 e deixar o time visitante igualar.

Pelo menos a ausência de Neymar garante a presença do atacante na rodada seguinte, quando o Brasil recebe a Argentina, no Mineirão, em novembro.“Nosso time está focado no desempenho e no bom trabalho coletivo. A força da equipe será importante no próximo jogo”, disse o zagueiro Miranda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.