Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Tite pede calma no Corinthians

'Conheço muito bem a pressão. Eu sei o que estou fazendo', declarou o técnico

Vitor Marques, estadão.com.br

23 de agosto de 2011 | 13h13

SÃO PAULO - A derrota em casa para o Figueirense no último sábado foi mais uma prova da queda de rendimento do Corinthians no Campeonato Brasileiro. Depois de um início de competição fulminante, com nove vitórias nos dez primeiros jogos, a equipe não conseguiu manter o desempenho e somou apenas dois triunfos nas últimas oito rodadas. Com o mau momento, até o trabalho do técnico Tite passou a ser questionado dentro do Parque São Jorge.

O treinador mostra-se tranquilo em relação às cobranças. "Calma, eu não estou aqui de paraquedas. Conheço muito bem a pressão do Corinthians. Eu sei o que estou fazendo", declarou Tite, em entrevista nesta terça-feira, após o treino da equipe no CT do Parque Ecológico. "Só peço calma. Temos de ter discernimento para saber o que está certo e errado", completou o chefão, minimizando a pressão e as vaias que começam a vir das arquibancadas.

Em sua segunda passagem pelo Corinthians, Tite lembrou que nas duas vezes em que chegou ao Corinthians ele teve de lidar com momentos difíceis. Na primeira vez, em 2004, assumiu a equipe ameaçada pelo rebaixamento no Campeonato Brasileiro, mas terminou a disputa na quinta colocação. No ano passado, recebeu um time em má fase, após a passagem do técnico Adílson Batista, e levou o Corinthians até a terceira posição.

"Assumi o Corinthians duas vezes em situações difíceis, uma com o time quase sendo rebaixado", lembrou. "No ano passado, quando cheguei, o Ronaldo me disse: ''Professor, nós estamos sem confiança''. Fui eu que tive de apagar o incêndio no ano passado. Ajudei a construir a equipe que está aqui agora", reforçou o treinador.

Para ele, a oscilação vivida pelo Corinthians neste momento no Campeonato Brasileiro é normal. O que sustenta seu raciocínio é o fato de a equipe continuar na liderança do torneio, com 37 pontos. A diretoria corintiana começa a pressionar o elenco. Ela já teria cobrado os jogadores por melhores resultados.

PARA O CLÁSSICO

Ao comentar sobre o time, Tite preferiu não confirmar a escalação corintiana para enfrentar o Palmeiras, domingo, pela 19ª rodada do campeonato. Sua principal dúvida é em relação ao esquema tático. Ele poderia tirar um dos meias e voltar ao 4-3-3. Com isso, Danilo e Alex correm risco de ir para a reserva.

Ainda na entrevista desta terça-feira, Tite evitou comentar sobre a polêmica com o técnico palmeirense Luiz Felipe Scolari, com quem irá se reencontrar domingo. Os dois já foram amigos, mas estão com relações rompidas - no último clássico, em maio, pelo Paulistão, eles chegaram a discutir dentro de campo. Foi lá que Tite cunhou a expressão "Fala muito", referindo-se ao colega de profissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.