Lucas Figueiredo / CBF
Lucas Figueiredo / CBF

Tite pede cautela para a seleção brasileira em amistoso contra a Argentina

Técnico afirma que os atletas vêm com uma responsabilidade que precisa ser dosada para a partida

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2018 | 16h22

O técnico Tite não revelou quem serão os titulares da seleção brasileira para o amistoso contra a Argentina, nesta terça-feira, no estádio The King Abdullah Sports City, em Jeddah, na Arábia Saudita, mas pediu que seus jogadores tenham cautela em campo. Não só para este jogo como também para os próximos já visando a disputa da Copa América de 2019, que será no Brasil.

"Os jogadores vêm com uma realidade de pressão e nós precisamos dosar essa realidade. Quando eu falei que a equipe precisa convencer para vencer, isso é uma ideia, que pode não acontecer, mas precisa existir. São duas fases parecidas (nos primeiros jogos pós-Copa do Mundo da Rússia e nos próximos), de oportunidades para os atletas", disse o treinador em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

Tite apontou como têm sido as mudanças na seleção brasileira no ciclo após a Copa do Mundo. "O aprendizado é teórico, mas essencialmente prático. Tive várias ideias ao longo da carreira, que a prática me mostrou ser diferente. As oportunidades são dadas aos atletas porque o momento permite. Os jogadores já sabem como vão jogar. As mudanças são fruto da experiência", afirmou.

O treinador pede sempre para que a seleção se imponha em campo, como fez em várias partidas sob seu comando. "Existe uma forma dominante de jogar do Brasil, que independe do posicionamento de adversários porque ela marca setor. Se fosse marcação individual, aí sim. A gente não joga em termos de posicionamento do adversário. Os ajustes acabam acontecendo, mas as mexidas maiores são para surpreender o adversário e não para marcar".

Sobre o grupo de jogadores que quer trabalhar, Tite está aberto a novidades. Um exemplo é o volante Allan, do Napoli, conforme revelou o auxiliar Sylvinho. "Nós temos uma série de atletas, isso é uma coisa muito boa do futebol brasileiro. Muitos dos jogadores estão fazendo coisas positivas e estão no nosso raio. Nós temos uma convocação de 23 jogadores e não gostamos de trabalhar com muitos atletas. Acompanhamos o Allan, que está fazendo uma bom trabalho no Napoli e jogando até numa posição diferente da que jogava com o (Maurizio) Sarri (até a última temporada)", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.