Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Tite pede paciência ao torcedor paulista para jogo contra o Paraguai

Técnico diz que apoio à seleção vai ser muito importante para time obter bom resultado

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2017 | 07h00

A corrida pelos 46 mil ingressos quase já esgotados para ver a seleção brasileira na terça-feira, contra o Paraguai, na Arena Corinthians, mostra o quanto a boa fase da seleção brasileira parece ter vencido a resistência do público paulistano. A cidade tem um histórico de críticas à seleção brasileira, aspecto que parece começar a evoluir.

São Paulo era, pelo menos no começo das Eliminatórias, um destino a ser evitado. Na época, o técnico Dunga chegou a falar que a seleção iria para onde teria carinho do público. Os cinco primeiros jogos da seleção foram em cidades do Nordeste e do Norte.

Como os bons resultados apareceram, o Sudeste entrou no calendário com Belo Horizonte, em novembro, e São Paulo, na terça-feira. O jogo marca o reencontro do técnico Tite com o estádio do Corinthians, clube onde conquistou seis títulos e é ídolo da torcida.

O treinador sabe que esse retorno à arena ajudou a cativar a procura da torcida, mesmo com o ingresso mais barato a R$ 200. “Quem for ao jogo precisa ter paciência para apoiar o time. Às vezes vamos ter que rodar a bola, tocar para trás, recuar para o goleiro e buscar espaços. Por isso, peço a compreensão do torcedor”, disse.

O apelo dele é para o público não se sentir ansioso e voltar a propiciar cenas de críticas à seleção, como houve no passado. Em 2001, contra o Colômbia, no Morumbi, a torcida brasileira chegou a arremessar em direção ao campo as bandeiras recebidas na porta do estádio.

Anos antes, em 1993, o Brasil bateu o Equador sob vaias, no mesmo estádio. “Jogar em São Paulo sempre foi mais difícil. A torcida é bem impaciente e não é tão calorosa como é nas cidades do Nordeste”, disse o ex-meia Paulo Isidoro, que disputou a Copa de 1982.

A equipe atual, apesar da boa fase e de vir de golear o Uruguai, já se preocupa com a receita para não decepcionar o público paulistano. “Devemos jogar com personalidade, com a bola no chão e paciência. Com certeza assim o resultado virá”, disse o zagueiro Miranda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.