Fabio Motta / Estadão Conteúdo
Fabio Motta / Estadão Conteúdo

Tite quer Brasil em 'alto nível' contra Alemanha para afastar fantasma do 7 a 1

Treinador diz que irá privilegiar a análise do desempenho e não do resultado perante os carrascos da última Copa

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

12 Março 2018 | 12h54

Apontada por Tite como uma das favoritas ao título na Copa do Mundo deste ano, a Alemanha será o grande adversário da seleção antes do Mundial. E a escolha pelo confronto diante da atual campeã do mundo e carrasca do Brasil em 2014 tem dois aspectos fundamentais: um confronto de alto nível e a tentativa de afastar o "fantasma" do 7 a 1.

+ 'Nossa primeira preocupação é com a saúde dele', diz Tite sobre Neymar

+ Convocados: Internautas criticam novidades na última lista de Tite antes da Copa

"Claro que vai aflorar todas essas situações que são emocionais, mas são verdade", disse o técnico em entrevista coletiva nesta segunda-feira logo após anunciar os convocados para os amistosos contra Rússia e Alemanha, nos respectivos dias 23 e 27 de março, sendo o primeiro deles em Moscou e o segundo em Berlim. "É um fato real, e tem que acostumar-se a ele. Mas agora é outra etapa, outro momento. Enquanto não fizer outro jogo, vai acontecer isso (de recordar os 7 a 1 na semifinal da Copa de 2014)."

Apesar disso, o treinador apontou não estar muito preocupado com o resultado final da partida que será disputada em Berlim. Na avaliação dele, uma eventual derrota não significaria um aumento de desconfiança no grupo.

"Antes é preciso desempenho. Todo o grande profissional precisa, necessita, ter capacidade de avaliar o processo. Senão ele se perde. Claro que o objetivo é o resultado final, é vencer, mas o segredo está na análise", pontuou Tite.

"Se a equipe se portar bem, mantiver um nível alto, souber administrar essas expectativas todas sobre o passado, isso é maturidade. Se tiver um grande futebol, isso é uma boa preparação", considerou o treinador. "Se tiver resultado bom, mas não tiver desempenho, isso não gera confiança. E atleta não se engana. Ele sabe quando achou resultado ou jogou bem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.