Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Tite rechaça ajuda da arbitragem, mas pede critério: 'Que ela seja justa'

Técnico da seleção brasileira acredita que decisões devem ser interpretadas igualmente pela equipe de árbitros

Almir Leite, Leandro Silveira, Marcio Dolzan, enviados especiais / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 13h58

O técnico Tite aproveitou a utilização do árbitro de vídeo pelo holandês Bjorn Kuipers para anular a marcação de um pênalti que havia dado sobre Neymar na partida desta sexta-feira contra a Costa Rica para dizer que a seleção brasileira não precisa e não quer ajuda da arbitragem na Copa do Mundo. Quer, apenas, a adoção do mesmo critério e todos os jogos e que ocorra justiça nas decisões de arbitragem.

+ Neymar exagera, juiz consulta o VAR e anula pênalti para o Brasil

+ Gabriel Jesus pede mais apoio aos torcedores: 'Críticas a gente tem demais'

+ Neymar desabafa nas redes sociais após vitória: 'Falar até papagaio fala'

“Não precisamos de arbitragem para vencer jogos, mas esperamos que seja justa. Que tal qual foi olhado hoje, seja olhado lá antes, que se interprete como quiser, mas que olhe'', disse o treinador em entrevista coletiva após a vitória por 2 a 0 em São Petersburgo. “Não queremos auxílio e sim ganhar sendo mais competentes.''

Na partida entre Brasil e Suíça, a seleção reclamou de um empurrão em Miranda no gol do rival e da não marcação de um pênalti em Gabriel Jesus. Os brasileiros queriam que o árbitro de vídeo fosse consultado, o que não aconteceu. Por isso Tite falou em justiça.

Ele viu pênalti em Neymar na partida contra os costa-riquenhos. Mas não reclamou diretamente de o árbitro ter revisto sua posição com a utilização do VAR. “Tanto pode dar como não dar, falando eu, Adenor. Com uma pitada um pouco mais do que aquele do Gabriel Jesus [na estreia], que falei que era interpretação. Se sou eu, árbitro, cal, mas respeito a marcação porque é passível de interpretação.''

Tite disse ter ficado contente pelo fato de os jogadores não querem reclamado da decisão do juiz de consultar o VAR – depois que a marcação do pênalti foi anulada, Neymar deu um sorriso irônico. “No primeiro jogo eu pedi para eles não reclamarem. Tivemos uma reunião com o (Wilson Luiz) Seneme e ele falou: 'Não reclamem, deixa pra arbitragem'. Só vai lá e olhe. Se decidiu dar ou decidiu não dar, que olhem. Pra mim, é pênalti. Se foi olhar lá e não deu, segue'', encerrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.