Pedro Martins/Mowa Press
Pedro Martins/Mowa Press

Tite revela dor por queda na Copa e indica que fará testes no 2º amistoso

"O sentimento é que chegue logo a hora de entrar em campo porque ainda está uma dor muito grande do término do jogo contra a Bélgica"

Thiago Mattos, Estadão Conteúdo

06 Setembro 2018 | 23h26

O técnico Tite concedeu entrevista coletiva nesta quinta-feira, véspera do amistoso da seleção brasileira contra os Estados Unidos, o primeiro do ciclo para a Copa do Mundo do Catar, mas admitiu ainda ter a eliminação na Rússia para a Bélgica, nas quartas de final, em sua mente.

Após definir Neymar como capitão da seleção e confirmar o fim do rodízio da braçadeira, o técnico chegou a fazer mea culpa do que chamou de "um dos erros" que cometeu durante a Copa. Por isso, justificou sua opção por usar Firmino, reserva de Gabriel Jesus no torneio na Rússia, no amistoso com a seleção norte-americana.

"O sentimento é que chegue logo a hora de entrar em campo porque ainda está uma dor muito grande do término do jogo contra a Bélgica. Esse é o sentimento geral, ele é meu e é de todos os atletas", disse o técnico. Segundo ele, o meio campo do Brasil teve "momentos de ajuste e momentos de desajuste" durante a Copa da Rússia.

Com relação às novidades que convocou para os dois amistosos nos Estados Unidos, Tite indicou que no segundo jogo, contra a seleção de El Salvador, há uma possibilidade maior de testar os novatos na seleção.

"A gente quer jogar para caramba no jogo de amanhã e nisso uma oportunidade pode surgir. Se ela é com Andreas ou Richarlison não sei, mas todos taticamente vão estar preparados", disse. "Hoje o Neymar sabe que o Firmino vai vir como pivô, saindo um pouquinho mais e não vai afundar tanto a jogada, vai jogar mais no pé e ser um jogador de composição."

Durante a entrevista, Tite respondeu a uma pergunta sobre um possível constrangimento em jogar contra a seleção dos Estados Unidos, país que pediu a extradição, prendeu e condenou a quatro anos de prisão o ex-presidente da CBF José Maria Marin.

"A seleção é um departamento em relação a CBF no seu contexto e no seu conjunto. O que eu posso dizer é que eu tenho muito orgulho da minha carreira e das minhas tomadas de decisões e da minha função", afirmou.

A partida desta sexta-feira contra os Estados Unidos é a primeira de uma série de amistosos que a seleção disputará neste ano. Quatro dias após o jogo, o Brasil enfrentará a seleção de El Salvador, em Washington.

Em outubro, a seleção brasileira fará amistosos contra a Arábia Saudita (dia 12) e em seguida contra a Argentina (dia 16). Em nota, a CBF disse que o técnico Tite não convocará jogadores dos times classificados para a final da Copa do Brasil. Os convocados para os amistosos de outubro serão anunciados em 21 de setembro, às 11 horas, na sede da CBF, no Rio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.