Carl Recine / Reuters
Carl Recine / Reuters

Titular contra a Arábia Saudita, Ederson comemora chance na seleção

Goleiro vê semelhanças entre seu estilo de jogo e o do principal concorrente à vaga, Alisson

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2018 | 10h50

Reserva durante toda a Copa do Mundo da Rússia, o goleiro Ederson terá a chance de ser titular da seleção brasileira nesta sexta-feira. Ele vai começar jogando no amistoso contra a Arábia Saudita, no estádio King Saud University, na capital Riad, às 14h45 (horário de Brasília).

Foi o próprio Ederson que confirmou sua posição de titular, na entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, em Londres, onde a seleção se prepara para os dois amistosos - o outro jogo será contra a Argentina no dia 16, também em solo saudita.

"Ontem [segunda], depois do treino, Tite chamou para conversar eu, o Alisson e o Taffarel, e passou que eu iria jogar o primeiro jogo e o Alisson, o segundo", revelou o goleiro do Manchester City. "Fiquei muito feliz por ter uma oportunidade de disputar uma partida com a seleção brasileira."

Ederson vem se destacando no futebol europeu nos últimos anos, principalmente na temporada passada na campanha vitoriosa do Manchester City no Campeonato Inglês. Mas o bom rendimento no time do técnico Josep Guardiola não foi o suficiente para conquistar a vaga de titular da seleção.

Isso porque Alisson também brilhou na Europa na última temporada. Com a Roma, foi até a semifinal da Liga dos Campeões. Acabou sendo eliminado pelo Liverpool, time para o qual se transferiria na janela de transferências do meio do ano. Agora os dois goleiros disputam a vaga de titular da seleção no mesmo campeonato.

E a rivalidade não para de aumentar, uma vez que os dois times brigam pela liderança do Inglês, ambos com 20 pontos - o Chelsea tem a mesma pontuação e também briga pela ponta, ocupada no momento pelo City por ter melhor saldo de gols.

"Acredito que há muita semelhança entre nós dois. Ele está tendo início de temporada muito positivo no Liverpool", comparou Ederson, que admitiu ver Alisson à frente na seleção. "Aqui ele está um passo à minha frente, disputou uma Copa do Mundo. Não é por isso que vou trabalhar menos. O Brasil está bem servido de goleiros."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.