Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Titular da seleção nos EUA, Ederson vê Alisson à frente para ser melhor do mundo

Ederson será o titular nos amistosos contra Colômbia e Peru porque Alisson se recupera de lesão muscular

Redação, Estadao Conteudo

04 de setembro de 2019 | 19h06

De volta à seleção brasileira após o título da Copa América, o goleiro Ederson será o titular nos amistosos contra Colômbia e Peru, nesta sexta-feira e na próxima terça, respectivamente, nos Estados Unidos, graças à lesão muscular sofrida por Alisson no primeiro jogo do Liverpool no Campeonato Inglês, no mês passado. Mas o assunto principal da entrevista coletiva do jogador do Manchester City, nesta quarta, foi outro: o prêmio de melhor do mundo dado pela Fifa.

Indicado ao prêmio Fifa The Best de melhor goleiro da última temporada, Ederson tem como concorrentes justamente Alisson e o alemão Marc Ter Stegen, do Barcelona. Para o "novo" titular da seleção, o seu compatriota "está um passo à frente" na disputa.

"Acho que os três (contando Ter Stegen) foram os melhores, mas eu vejo o Alisson um passo à frente, fez um grande campeonato, ganhou a Champions (Liga dos Campeões da Europa) e fez uma grande Copa América também. Quem vencer vai ser merecidamente e eu fico feliz por dois goleiros brasileiros estarem disputando esse prêmio", disse Ederson, que espera um amistoso complicado contra a Colômbia.

"Vai ser um jogo muito complicado. Espero que a nossa seleção faça uma boa partida e os jogadores que tiverem a oportunidade de começar façam um bom jogo", prosseguiu.

Ederson é conhecido por ter uma boa saída de bola - sempre incentivada pelo treinador espanhol Pep Guardiola, do Manchester City. Na coletiva, foi questionado se arriscaria bater faltas e pênaltis no clube ou na seleção. Nos treinamentos em Miami, impressionou com chute certeiro de 70 jardas (63 metros) no campo de futebol americano. O goleiro se divertiu ao lembrar do dia em que irritou Guardiola.

"Quando comecei a jogar eu gostava de bater falta, pênalti, mas hoje em dia já não tenho tanta ambição para isso. Uma vez, a gente estava goleando por 5 a 1, acho, e a torcida pediu para eu bater pênalti. Na zona mista me perguntaram e eu disse que queria bater. O Guardiola ficou p...", comentou.

Como saiu cedo do Brasil, Ederson nunca atuou por um clube do País. Dispensado da base do São Paulo, o então adolescente viajou até Portugal para integrar o time sub-17 do Benfica. Fã de Rogério Ceni, disse não guardar mágoa do São Paulo e vê a sua história de superação como exemplo para as novas gerações.

"Muitos garotos têm o sonho que você teve, iniciam de baixo, com dificuldades para crescer. Eu acho bom os jogadores contarem as histórias de superação porque a garotada hoje desiste facilmente e a gente contando nossa historia consegue incentivar mais crianças. Com 15 anos, eu fui dispensado do São Paulo e nunca guardei mágoa do São Paulo. Apenas pela forma como fui dispensado, mas não guardo mágoa nenhuma do clube", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.