Cesar Greco/Agência Palmeiras
Cesar Greco/Agência Palmeiras

Titular, lateral do Palmeiras ainda mora em alojamento da base

João Pedro passa em menos de um mês de promessa a dono da lateral-direita e admite surpresa com ascensão meteórica no clube

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2014 | 07h05

Antes do dia 17 de setembro, poucos torcedores do Palmeiras sabiam quem era João Pedro. O garoto deixou a base do clube para ajudar a compor o banco de reservas em algumas partidas do Campeonato Brasileiro e diante do Flamengo teve uma oportunidade e não saiu mais. Menos de um mês depois, ele renovou contrato, se tornou titular absoluto de Dorival Júnior, fez até gol e a alegria só não é completa pelo fato de seu maior motivador não poder vê-lo em ação.

O avô, João, faleceu quando o lateral tinha 13 anos. “Ele era o meu maior incentivador. Falar disso me emociona. Ele me levava para o campo e ficava na beira do gramado me orientando”, lembra o garoto, que tem o nome do avô e do pai (Pedro) e, apesar do fato triste, está radiante com o momento que vive.

Um fato curioso e que demonstra como João Pedro teve uma ascensão meteórica é que ele ainda mora nos alojamentos localizados próximos do Allianz Parque e que são destinados para os garotos da base que não tem onde morar. “No alojamento eu sou muito feliz. Gosto de morar lá e não acho que seja a hora de sair agora”, explicou o garoto.

Contra o Grêmio, no sábado, ele foi o autor do gol da vitória por 2 a 1 e assegura que o lance não foi uma raridade em sua carreira. “Na base eu gostava de jogar mais na frente e fazia meus golzinhos”, brincou.

João Pedro está sozinho em São Paulo. A família é de Presidente Bernardes e esporadicamente acompanha os jogos dele em campo. Suas irmãs (Renata e Daiane) e a mãe (Clélia) asseguram que ele virou celebridade na cidade, mas o menino, bem humorado, desconfia. “Me falaram que colocaram telão para me ver jogar na cidade. Qualquer dia eu vou dar uma passada na cidade para ver se é tudo isso mesmo”, falou, brincando.

Queima etapas. Antes do Palmeiras, ele jogou por dois anos na base do Comercial, de Ribeirão Preto, e jamais imaginou que com apenas 17 anos seria titular absoluto do Palmeiras. “É bom queimar etapas. Pelo menos a gente não fica tão ansioso, mas não esperava que tudo fosse tão rápido. É a realização de um sonho muito rapidamente”, disse o lateral, que tem contrato até setembro de 2017.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.