Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Titular no domingo, Fernandinho se diz habituado à nova função na seleção

Diferente do que faz no City, volante vai jogar mais avançado, como tem feito quando entra na seleção

Almir Leite, enviado especial a Londres, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2018 | 14h50

Fernandinho está ganhando uma posição entre os titulares da seleção brasileira. O volante foi escalado por Tite para iniciar o amistoso de domingo contra a Croácia, em Liverpool, e garantiu que o fato de ter de atuar de maneira diferente do que faz no Manchester City não afetará seu desempenho. Ele vai jogar mais avançado, como aliás tem feito quando entra na seleção.

+ Tudo sobre a Copa do Mundo 2018!

+ Tudo sobre a seleção brasileira!

+ Neymar não deve ser titular em amistoso contra a Croácia

O jogador afirmou que a adaptação é tranquila, mesmo porque também jogou mais avançado na reta final da temporada inglesa. "É uma posição um pouco diferente de como jogo no meu clube, mas não muda muita coisa pelos jogadores que temos, o Coutinho e o Marcelo pela esquerda. Posso dar mais sustentação com o Casemiro no meio para esses jogadores atacarem mais", disse. Mas alertou: "Não vai ser um tipo de jogo em que vai todo mundo para frente e deixa a defesa exposta. Quando tiver com a posse de bola, é fazer o que faço no clube, distribuir a bola de maneira dinâmica".

Fernandinho disse que tanto ele quanto Casemiro têm liberdade para ir ao ataque, mas isso depende das condições de jogo e das características dos adversários. Afinal, a função principal deles é evitar as ações dos adversários. "Paulinho tem muito mais liberdade de chegar ao ataque, finaliza bem, chega na área e faz muitos gols. Eu e Casemiro controlamos mais os contra-ataques para dar o equilíbrio necessário."

Essa facilidade de se adaptar a várias funções, inclusive, foi motivo de um elogio recente de seu técnico, Pep Guardiola, que chegou a dizer que Fernandinho é capaz de jogar em 10 posições diferentes. "Tenho essa facilidade de fazer o que o treinador pede. Me ajudou em toda a minha carreira. Consigo jogar onde o técnico quer."

Ser treinado por Guardiola e também por Tite é, para o volante, um privilégio, pois o ajuda a desenvolver bastante seu futebol. "Você vê o futebol de uma maneira diferente. O Guardiola tem ideias e conceitos, preza muito por certas coisas que, no conceito dele, no olhar ajudam a melhorar mais e mais o jogo do time e do próprio jogador", disse. "O Tite tem um estilo um pouco diferente, mas conceitos parecidos também. Aprendi muito com ele. Me sinto muito privilegiado de trabalhar com ambos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.