Título e bola são presentes de Lugano

O gesto final do jogo selou a comunhão total entre o uruguaio e sua torcida. Lugano recebeu o passe de Júnior, esperou o apito do árbitro, pegou a bola e não a levou para casa. Com um chute forte, como tantos que distribui em campo, presenteou a torcida. "Eu tinha de fazer isso. Era uma forma de agradecer por todo o carinho e respeito que eles tiveram comigo esse tempo todo. Desde que cheguei aqui, a torcida sempre me apoiou. É uma das razões para eu ter esse sucesso", dizia um tranqüilo Lugano no vestiário.Ele chegou ao São Paulo em 2003, sem nome. Era apenas um zagueiro reserva do Nacional que voltava ao time depois de um ano emprestado ao Miramar, um time pequeno do Interior. Agora, além de ídolo no clube, com 98 partidas jogadas e cinco gols marcados, ganhou um lugar na seleção uruguaia. "Devo tudo ao São Paulo, vou ser sempre agradecido."Ele fez uma partida segura, seguindo um plano pré-estabelecido por Leão. "A gente sabia que se não sofresse gol, ficaria com o título. Nosso planejamento foi esse. Lutamos pelo título e conseguimos. O mais difícil foi segurar o Robinho. Com esse calor todo e o gramado fofo, ele corria o tempo inteiro. É um grande jogador."Lugano parou de falar para receber um abraço de Júnior, que prometia muito mais à torcida do São Paulo. "Este é só o primeiro. Nós montamos um elenco muito bom, o grupo é todo unido e estamos ganhando muita força. Vamos lutar muito para conseguir novos títulos. Vem mais por aí."Para isso, Júnior, como a maioria dos jogadores, pedia que Leão ficasse. "Ele tem muito a ver com o nosso título. Precisa ficar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.