Dolores Ochoa/AP
Dolores Ochoa/AP

'Tivemos o gostinho da vitória', afirma o técnico Dunga

Treinador da seleção lamenta gol no fim do Equador que determinou o empate no confronto em Quito

Agencia Estado

29 de março de 2009 | 20h58

Sem demonstrar insatisfação com a atuação da seleção brasileira neste domingo, em Quito, o técnico Dunga lamentou o empate conquistado pelo Equador nos minutos finais do jogo válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.

Veja também:

linkSem jogar bem, Brasil fica no 1 a 1 contra o Equador

especialVisite o canal especial das Eliminatórias da Copa

tabela Eliminatórias da Copa - Classificação

lista Eliminatórias da Copa - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Tivemos o gostinho da vitória, mas infelizmente cedemos o empate. Faz parte do futebol", afirmou o treinador, conformado, que lembrou a boa oportunidade de Luís Fabiano no fim da partida. O atacante acertou a trave em jogada pela direita.

Dunga se mostrou desapontado pela dificuldade da seleção em jogar na altitude da cidade equatoriana. "Tivemos dificuldade como é normal. Todas as equipes (locais) que jogam aqui sabem aproveitar as condições, o andar da bola, o passe", enumerou. "A equipe deles sabe aproveitar bem as laterais do campo", destacou.

Em relação às alterações do time no segundo tempo, o técnico atribuiu a entrada de Josué, no lugar de Elano, à fraca marcação do time. "Tentamos acertar a marcação, trazer alguém pro meio, agrupar a equipe", explicou, satisfeito com a entrada de Júlio Baptista, autor do gol. "Coloquei o Júlio Baptista naquela função porque é onde ele melhor se adapta".

Baptista entrou no lugar de Ronaldinho Gaúcho, que voltou a mostrar atuação apagada na seleção. Após o jogo, Dunga se mostrou compreensivo com as dificuldades do meia. "Jogar na altitude é difícil. Para ele, era mais difícil a questão física. Mas ele foi relativamente bem. Tem jogado pouco no Milan e tem entrado sempre no final dos jogos", comentou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.