Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Tribunal de Justiça dá razão para Corinthians e Kassab sobre licitação da Arena

Ministério Público questionava o modelo de concessão de incentivos fiscais

O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2018 | 17h11

O Tribunal de Justiça de São Paulo deu razão para Corinthians e o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. O TJ considerou constitucional a Lei Municipal nº 15.413/2011 que concedia incentivos fiscais para a construção da Arena Corinthians

+ Carille diz que pressão na Argentina será menor do que foi diante do Palmeiras

+ Corinthians busca encaminhar a vaga e acertar com Balbuena

A ação, proposta pelo Ministério Público, questionava o modelo de concessão de incentivos fiscais e pretendia a condenação dos réus, neste caso, o Corinthians e Kassab, alegando a prática de ato de improbidade administrativa.

No julgamento realizado dia 7 de março, o Desembargador relator da matéria votou pela parcial procedência da ação, entendendo que deveria ter ocorrido licitação para a obra privada. Mas depois do pedido de vista do Desembargador Osvaldo de Oliveira, o julgamento foi retomado nesta quarta-feira e, por três votos a dois, o TJ negou provimento ao recurso de apelação do MP.

O TJ negou provimento ao recurso do MP alegando que não havia necessidade de licitação por se tratar de uma obra privada. O advogado de Kassab, Igor Sant’Anna Tamasauskas, representante da banca responsável por defender o ex-prefeito, comemorou o resultado. "Não era o caso de licitação. A obra era privada e foi um importante veículo utilizado pelo legislador para promover o desenvolvimento da região leste de São Paulo, além de atender às altas exigências da FIFA para sediar o jogo de abertura da Copa do Mundo. Além do mais, é público e notório que o estádio foi construído segundo os melhores padrões para atender à exigente nação corintiana", disse.

Na terça-feira, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, disse que o Corinthians retomou os pagamentos à Caixa Econômica Federal do financiamento do BNDES para a construção da Arena. Na semana passada, foi depositada uma parcela de R$ 5,960 milhões. O clube, no entanto, continua negociando a dívida com o banco.

O presidente do clube, Andrés Sanchez, continua batendo o pé no sentido de que o clube só deve à Caixa o valor referente aos R$ 400 milhões da linha de crédito que o BNDES abriu para financiar a construção de arenas que receberam jogos da Copa do Mundo de 2014. O pagamento, porém, havia sido suspenso no ano passado, porque o clube não tinha como honrar os compromissos.

Andrés calcula que, com juros, a dívida está atualmente em cerca de R$ 470 milhões. Ele quer negociar uma forma de pagamento que possa ser absorvida pelo clube e pelo fundo responsável por gerir o dinheiro da arena, mas sem alongar o prazo de pagamento, de 12 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansArena Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.