Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

TJD-SP mantém pena, e Dudu, do Palmeiras, ficará 180 dias suspenso

Decisão do tribunal ainda cabe recurso

DANIEL BATISTA, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2015 | 20h45

Por sete votos a dois, o Palmeiras não conseguiu reduzir a pena do atacante Dudu e o jogador, por enquanto, terá que cumprir os 180 dias de suspensão pelo empurrão ao árbitro Guilherme Ceretta de Lima na decisão do Campeonato Paulista. Ele foi julgado nesta segunda-feira pelo Pleno do TJD, de São Paulo.

O jogador estava atuando sob o efeito suspensivo e com a decisão o efeito perde a validade. No julgamento também foi reduzido o valor de multa ao clube por atraso para adentrar ao gramado na decisão. O valor de R$ 48 mil reduziu para R$ 16 mil. No total, sete auditores decidiram manter a pena de 180 dias. Um pediu 10 jogos e pena de R$ 30 mil e outro sugeriu seis partidas de punição.

Dudu não esteve presente no tribunal. Segundo o advogado André Sica, ele não compareceu ao local porque está afetado psicologicamente por tudo que aconteceu e que isso o está afetando dentro de campo. E que a decisão partiu da comissão técnica e da diretoria do clube. "O atleta já foi punido e cumpriu três jogos. O Palmeiras e o atleta estão sendo tratados de forma desigual", disse o advogado, reclamando do exagero da pena.

Durante várias vezes ao longo do julgamento, o caso Petros foi lembrado pelo advogado. No ano passado, o jogador, quando ainda estava no Corinthians, foi suspenso por 180 dias por um empurrão no árbitro Raphael Claus, mas após novo julgamento a pena caiu para apenas três partidas. Outros casos recentes também foram lembrados por André Sica.

Apesar da pena, o caso ainda não está encerrado. O Palmeiras pode e vai recorrer da decisão no Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), última instância para reverter a situação. Antes, vai entrar com um novo pedido de efeito suspensivo para que o jogador tenha condições de continuar atuando enquanto aguarda por um novo julgamento.

O primeiro julgamento aconteceu no dia 18 de maio. Depois de cumprir 15 dias de punição, ele voltou aos gramados graças a um efeito suspensivo pedido pelo Palmeiras. Nesta segunda-feira, os advogados do clube tentaram desqualificar a denúncia de "agressão" para "ato hostil". Assim, a pena dele seria revertida para número de jogos e só seria cumprido no Paulistão do ano que vem.

A expectativa é que até o final de semana o clube consiga o novo recurso e Dudu possa atuar normalmente. Entretanto, como sua presença não é certa, o técnico Marcelo Oliveira já começa a pensar em um substituto do jogador. Teoricamente, Kelvin seria o mais cotado, já que ele é quem tem revezado na posição com o atacante suspenso.

Outra opção possível é aproveitar a possível ausência para lançar Lucas Barrios entre os titulares. O atacante paraguaio estreou no último domingo, na vitória por 1 a 0 sobre o Santos, no Allianz Parque, mas entrou no segundo tempo no lugar de Leandro Pereira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.