TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

'Todo mundo é contra o Corinthians. É Corinthians contra o resto'

Atacante diz que campeonato não está manchado

Entrevista com

Vagner Love

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2015 | 17h00

Vagner Love conta os dias para conquistar o Campeonato Brasileiro. O título será especial não apenas por ser o primeiro Nacional da sua carreira, mas principalmente porque marcará a volta por cima do atacante no Corinthians depois de passar boa parte do ano como principal alvo das críticas da torcida. A cada gol perdido, eram inevitáveis as comparações com Guerrero.

Você veio para o Corinthians em fevereiro já sabendo que iria substituir o Guerrero?

Achei que ele poderia renovar o contrato e continuar aqui, mas isso acabou não acontecendo. Também havia a possibilidade de ele não ficar e eu ter a oportunidade de jogar. Ele foi seguir a vida dele fora daqui e eu tive a chance de ser titular. Passei por altos e baixos, mas na hora certa consegui evoluir e agora quero manter esse nível até a última rodada do campeonato.

Como você se sente fisicamente?

Estou muito bem. Até brinco com o pessoal que me sinto como se tivesse 18 anos. Estou correndo mais e ficando menos cansado. Ganhei força física. Estou muito feliz pelo meu desempenho.

Você é vice-artilheiro do time e, mesmo assim, é bastante criticado. A torcida do Corinthians é mais exigente do que as de Palmeiras e Flamengo?

Aqui tudo é o dobro. Você não tem de matar um leão por dia, são dois. Tem de sempre estar provando algo mais. A torcida é exigente pela grandeza do Corinthians, mas, se eu não quisesse cobrança, iria jogar em outro lugar.

Em 2009, o Palmeiras tinha cinco pontos de vantagem na liderança restando dez rodadas e não foi nem para a Libertadores. Qual é a diferença daquele time para agora?

Naquela época tinha muita vaidade. Jogador não queria correr pelo companheiro. Isso é uma coisa que não existe no Corinthians. Aqui, todo mundo se dedica.

O campeonato está manchado pela arbitragem?

Não fizemos nada de errado. Se a arbitragem errou, não foi só para a gente. O problema é que todo mundo é contra o Corinthians. É Corinthians contra o resto.

Acha que exageram nas críticas?

Não desaprendi a jogar. Infelizmente estava vivendo um momento ruim. Mas as fases ruins passam na vida de qualquer pessoa e consegui reverter dentro de campo. Sabia que não adiantava ficar falando muito e que só iria mudar aquela história voltando a jogar bem.

Qual é o papel do Tite nessa sua volta por cima?

Fico feliz pela forma como ele me tratou. Foi como um pai para mim aqui dentro. O Tite me ajudou muito e fez com que eu me dedicasse cada vez mais nos treinos. Sempre foi muito correto comigo e procurou me passar tranquilidade.

Você tem contrato até julho de 2016. Já iniciou as conversas com a diretoria para renovar?

Só penso em terminar o ano bem, ser campeão brasileiro. Depois, se tiver interesse da diretoria, vamos conversar e ver o que é melhor para mim e para o clube. Até o momento, não fui procurado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.