Todos iguais

Não há mais grandes times ou todos se tornaram grandes e ninguém é mais bobo?

O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2017 | 04h00

O nivelamento por baixo dos times do futebol brasileiro é algo conhecido e falado por todos, crítica e torcedores. Mas será que alguém acredita nisso mesmo ou se trata apenas de retórica e no fundo ainda imaginamos que há realmente grandes esquadrões a meter medo nos adversários e fazer a alegria de quem ganha?

Essa dúvida me ocorre porque vejo com frequência que parecemos todos perdidos no julgamento das equipes e mesmo do futebol. Os resultados nos campos parecem aumentar ainda mais nossa confusão.

Todos os jogos são difíceis. O líder pode perder para o último colocado em seu próprio campo. Os que estão em cima da tabela não parecem muito melhores do que os que estão embaixo, pelos menos os confrontos diretos não indicam isso. Os torcedores de todos os times aprenderam a sofrer.

Sofrem em qualquer jogo, e qualquer jogo é imprevisível. Aquele torcedor que ia aos estádios só quando seu time jogava contra equipes fracas, hoje, ou não vai mais, ou vai lá para sofrer, como num clássico que frequentemente evitava. Como resolver isso?

Não há mais grandes times, ou todos se tornaram grandes e realmente “ninguém mais é bobo”, todo mundo “aprendeu a jogar”? É evidente a decadência. Mas essa decadência é sutil e traiçoeira, oculta, esquiva e, para dizer a verdade, o futebol vive sem grandes times, porque ele vive de emoções, e temos emoções em campo com boas ou más equipes. Há jogos horríveis tecnicamente e empolgantes. No fundo, o gol continua lá onde sempre esteve e a bola entrando, ou tentando entrar, continua sendo espetáculo único.

Nosso gosto pessoal possivelmente também declinou gradativamente. Perdemos o gosto do refinado, da jogada sofisticada, dos toques de grande classe, somos até incapazes de reconhecê-lo quando ainda teima em aparecer em campo de vez em quando.

Somos talvez o que essa sociedade se transformou: queremos é ganhar, nada de jogo bonito. Nos iludimos e chegamos a pensar que times que ganham tropegamente e cheios de dificuldades são times práticos, da época de hoje, e, portanto, grandes equipes.

Se aceitarmos como um fato que todos os jogos se tornaram difíceis não importam as causas porque assim é a vida, e aceitar o que temos conformados e resignados, então vários problemas que surgiram, por exemplo, nesse Campeonato Brasileiro se explicam.

Um deles é a extrema incerteza sobre a permanência dos treinadores e a facilidade com que são demitidos.

Sim, porque o torcedor reduz tudo à mais truculenta simplicidade: se todos os times são iguais, se o meu se equivale a todos os outros, por que o meu perde? Não pode perder, já que também não é pior. Perde porque alguém está fazendo um mau trabalho.

Esse alguém todo mundo sabe quem é. É o que recebeu “investimentos”, “reforços”, “elenco”, que ele tem que fazer com que jogue. Não é um time tão bom como os outros? Então, se perde, a culpa só pode ser do técnico. Há um problema adicional: por mais que aceitemos o time de hoje, o pobre time de hoje, quando entra em campo traz com ele um pouco do passado. Às vezes muito. Aquele 10 não parece até o Alex? E aquele grandão batendo bola, não lembra o Sócrates? O outro lá, de costas, não é o próprio Gaúcho?

Tudo antes do jogo é claro, quando ainda há descontração nas arquibancadas. Embora estejam cuidadosamente providenciando a descaracterização das cores e modelos antigos de camisas, como a evitar qualquer evocação do passado, na verdade ele, de alguma forma, reaparece e vem assombrar os torcedores. Principalmente quando começa jogo. Ou quando acaba. Daí é hora do treinador ocupar seu lugar diante das câmeras para explicar. O quê?

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.