Toledo vence o Coritiba e assume a ponta no Paranaense

Resultado garante o time na liderança do Grupo B da segunda fase do campeonato

Evandro Fadel, Especial para O Estado de S. Paulo

23 de março de 2008 | 20h53

O Toledo garantiu um aproveitamento de 100% nos nove jogos disputados este ano no Estádio Municipal 14 de Dezembro, em Toledo, no oeste do Paraná, ao vencer o Coritiba por 1 a 0, neste domingo, com um gol nos acréscimos. O resultado ainda garantiu ao time a liderança do Grupo B da segunda fase do Campeonato Paranaense, com sete pontos.   O Coritiba, que perdeu uma invencibilidade de oito jogos, está na segunda colocação, com quatro pontos. Na outra partida do grupo, Adap Galo e J.Malucelli empataram por 4 a 4, em Maringá. Ambos ficam com dois pontos.   Toledo e Coritiba fizeram um jogo muito amarrado no meio-de-campo e sem grandes oportunidades de gol. O empate era bom resultado para ambos os times e isso se refletiu no desempenho técnico. Com jogadores um pouco mais talentosos, o Coritiba conseguia ser superior no toque de bola, mas nada que chegasse a impressionar.   O jogo arrastava-se para o empate quando, aos 48 minutos, depois de uma cobrança de escanteio, o zagueiro Cleiton, livre no meio da área adversária, ainda precisou se abaixar para cabecear a bola e dar a vitória ao Toledo.   ATLÉTICO-PRO Atlético voltou a ter esperanças de se classificar para as semifinais do Campeonato Paranaense, após vencer o Iraty, por 1 a 0, no Estádio Emílio Gomes, em Irati, no sul do Paraná. Apesar de ainda permanecer na última colocação do Grupo A, o Atlético somou seus primeiros três pontos, contra seis de Engenheiro Beltrão e Paraná Clube e três pontos do próprio Iraty. No sábado, o Beltrão venceu o Paraná por 2 a 0.   Em um jogo bastante truncado e com muitas faltas, algumas delas desleais, Iraty e Atlético castigaram a bola e os torcedores em Irati durante o primeiro tempo. O time da casa parecia estar satisfeito com o empate e tentava manter a bola no meio-de-campo.   O Atlético, por sua vez, tentava abafar o adversário, mas tropeçava em sua própria pressa, não conseguindo armar jogadas mais perigosas.   No segundo tempo, o Atlético sentiu a falta de ousadia do técnico Ney Franco, que colocou apenas Marcelo Ramos como atacante. Sem jogadores de definição de jogadas, coube ao volante Alan Bahia marcar o gol da vitória, aos 22 minutos, depois de boa jogada de Pimba. O técnico Antônio Lopes Júnior reforçou o setor ofensivo de seu time, mas, apesar da pressão, a derrota foi inevitável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.