Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Tomara que Tite continue', diz Carlos Alberto Parreira

Técnico campeão mundial com a seleção em 1994 ressaltou que derrota contra a Bélgica foi apenas a segunda do treinador brasileiro

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 21h33

Carlos Alberto Parreira, coordenador técnico da CBF há quatro anos, quer a permanência de Tite no comando da seleção, mesmo depois da derrota contra a Bélgica. Em declarações ao Estado após a partida e já na madrugada de Moscou, Parreira fez questão de elogiar o treinador. 

+ Tite defende Fernandinho após derrota e cobra árbitro de vídeo em lance com Jesus

+ Seleção de 2018 aprendeu com os erros da Copa de 2014, avalia Parreira

+ Parreira aposta que o talento será decisivo contra a organização tática na Copa

"Tomara que Tite continue", disse. "O trabalho foi muito bem feito e precisa continuar", defendeu. "Claro, vai depender dele. Mas torço por sua permanência. O Brasil ainda vive de resultados. Mas sabemos que essa foi apenas a segunda derrota. O trabalho tem de ser mantido." 

Com seis Mundiais disputados com cinco seleções diferentes, Parreira é também um dos 20 treinadores campeões mundiais. "A realidade é que ser campeão do mundo não é fácil", apontou. 

Para ele, a Bélgica fez hoje sua melhor apresentação na Copa do Mundo e contou com um Hazard "inspirado". "Em comparação ao que ocorreu contra o Japão, a Bélgica mudou", comentou Parreira, que foi escalado pela Fifa para coordenar um grupo de especialistas para avaliar o nível técnico e tático da Copa. 

 

Na avaliação de Parreira, o Brasil cresceu no final do jogo e, se tivesse empatado, provavelmente teria virado o jogo na prorrogação. "Os belgas correram muito e estavam cansados no final", disse. 

Ainda assim, o treinador acredita que os belgas sejam candidatos ao título. "Da forma que ela jogou hoje, a Bélgica se credenciou para o título, sem dúvida nenhuma", completou. Em sua avaliação, o time belga é atualmente superior ao da França. 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.