Torcedor do Palmeiras protesta após goleada e pede a saída de Nobre

Na noite deste domingo, torcedores fizeram uma manifestação ao pintar os muros da sede de uma das torcidas organizadas do clube

O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2014 | 21h59

A pior derrota do Palmeiras na história do Campeonato Brasileiro já traz dor de cabeça aos dirigentes em relação às manifestações da torcida. Na noite deste domingo, torcedores fizeram um protesto ao pintar os muros da sede de uma das torcidas organizadas do clube. O fato deu-se logo após a goleada sofrida por 6 a 0 para o Goiás - o time igualou a marca negativa de 1981, quando perdeu para o Inter pelo mesmo placar.

Na frase escrita pelos torcedores, o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, foi xingado. Além disso, os integrantes da organizada pediram a saída do dirigente palmeirense, no cargo há quase dois anos. As eleições no clube estão marcadas para o fim deste ano.

O Palmeiras está em crise desde o retorno do Brasileirão, que ocorreu após a disputa da Copa do Mundo. Desde então, o time acabou derrotado nove vezes, com três empates e apenas duas vitórias. Nesse período, Ricardo Gareca passou pelo clube e acabou demitido após nove partidas na competição. Após a contratação de Dorival Júnior, a equipe conquistou apenas cinco pontos em 15 possíveis, chegando à lanterna do torneio.

Após a derrota para o Goiás, a maioria dos jogadores evitou comentar sobre a crise, limitando-se apenas a pedir desculpas ao torcedor. O atacante Diogo, entretanto, disse que o problema da equipe não é só técnico. "Falta vergonha na cara para todos nós. Tenho filho e mãe, estão todos sofrendo. Pela história do Palmeiras, isso é inadmissível", afirmou o jogador. 

Pelo Twitter, torcedores apoiaram os protestos contra a diretoria. A delegação do Palmeiras chega a São Paulo nesta segunda-feira. Na próxima rodada, o time enfrenta o Vitória, no Pacaembu. A partida será disputada na próxima quinta-feira, às 19h30. A equipe baiana é um adversário direto na luta contra o rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.