Torcedor nega racismo: 'Quisemos celebrar o carnaval'

Um dos integrante de grupo espanhol que pintou rosto de preto provocando Lewis Hamilton se defende

Agência Estado

08 de fevereiro de 2008 | 16h08

O espanhol Toni Calderon, um dos torcedores que pintaram o rosto de preto nas arquibancadas do Circuito de Barcelona durante os testes coletivos do último domingo e vestiram uma camiseta com os dizeres "Família de Hamilton", negou ter intenções racistas com o ato, que foi condenado em todo o mundo e fez a FIA ameaçar retirar as duas corridas da Espanha nesta temporada. "Nós só nos fantasiamos para celebrar o carnaval e dar um toque de humor às arquibancadas do circuito", explicou Calderón, em entrevista ao jornal espanhol "Publico" desta sexta-feira. Ele diz que se "envergonha" de ter virado o símbolo, especialmente na Inglaterra, das ofensas racistas feitas a Lewis Hamilton, o primeiro piloto negro da história da Fórmula 1, nos três dias de testes realizados no último fim de semana. A organização teve de cercar com tapumes os boxes da McLaren, para que o piloto fugisse um pouco dos insultos, mas Calderón disse que ele e seus amigos não chegaram a ser incomodados pela segurança. "Nosso objetivo era brincar com o pai de Hamilton, sem a menor intenção de rir do piloto por causa da cor da sua pele", tentou se explicar o torcedor espanhol. "Os seguranças do portão da entrada riram e nos deixaram passar, e as pessoas em volta achavam que éramos torcedores de Hamilton." O tenso relacionamento entre Fernando Alonso e Lewis Hamilton dentro da McLaren, no ano passado, tornou o jovem piloto inglês uma "persona non grata" na Espanha. Além das "fantasias" do grupo de Calderón, havia cartazes em todo o circuito com críticas a ele e a Ron Dennis, o chefe da McLaren, por terem "impedido" o tricampeonato do Espanhol. "Não tenho medo de dizer pessoalmente o que aconteceu à McLaren e a Lewis, que é um craque", afirmou Calderón. "Mas nós somos torcedores de Alonso." Aprovada Ausente tanto dos testes de Barcelona como no Bahrein, no começo desta semana, a Super Aguri anunciou nesta sexta-feira que seu carro para a temporada, o SA08, foi aprovado nos testes de segurança da FIA e poderá ser usado a partir do  GP da Austrália. O piloto japonês Takuma Sato afirmou que a equipe deve marcar presença no testes em Jerez e Barcelona, na segunda quinzena deste mês. A equipe comandada pelo ex-piloto Aguri Suzuki foi alvo de vários boatos durante as últimas semanas, inclusive de que não teria dinheiro para disputar toda a temporada e poderia ser vendida.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FIALewis Hamiltonracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.