Torcedor palmeirense aplaude empenho dos jogadores

O Palmeiras chegou ao quinto jogo consecutivo sem vitória, mas não perdeu o apoio da torcida. Mesmo ficando só no empate em 1 a 1 com o Bragantino, neste sábado, no Pacaembu, a equipe alviverde saiu de campo aplaudida pelos torcedores. Motivo: a raça do time mostrada, principalmente, no segundo tempo. ?A torcida nos aplaudiu, reconheceu nosso esforço. Ela está vendo que esse time, apesar de desentrosado, está correndo. É um time em formação. A gente deu o que podia dar?, disse o goleiro Marcos, que lamenta a falta de sorte do time alviverde. ?Uma hora a bola vai entrar. Não é possível que essa fase vá durar para sempre.? O meia Willian, um dos mais empenhados em campo, destacou: ?Estamos no caminho certo, erramos nas finalizações, mas vontade nunca vai faltar. Todo mundo aqui ralou quando criança para chegar num time grande. Agora que chegamos, ninguém vai deixar de ter vontade?, emendou o jogador. Substituição gera vaias para Caio JuniorNo primeiro tempo, porém, a torcida chegou a pegar no pé do time, principalmente do técnico Caio Júnior. Aos 28 minutos, com o Palmeiras perdendo por 1 a 0 e jogando muito mal, o treinador trocou Martinez, um dos mais lúcidos da equipe, por Willian. Perplexos com a mudança, os torcedores entoaram o coro de ?burro, burro, burro.? Caio Júnior afirmou que a substituição era necessária. ?A alteração foi boa, deu velocidade ao time?, justificou. O gol de empate saiu aos 38, dez minutos após a polêmica substituição, com Edmílson, de cabeça, aproveitando escanteio cobrado por Paulo Baier. ?Estávamos num momento delicado da partida. Fico feliz por ter conseguido ajudar o Palmeiras na frente?, disse o zagueiro, que fez seu primeiro gol com a camisa do Palmeiras. No intervalo, Caio Júnior ainda foi reclamar com o árbitro Rodrigo Guarizo do Amaral. O técnico chiou da não expulsão do volante Moradei, que já tinha cartão amarelo e fez uma falta feia sobre o meia Willian. Ao invés de dar o vermelho para o jogador do Bragantino, o árbitro mostrou o amarelo para o zagueiro Cris, que também estava no lance, mas nem encostou em Willian. ?Foi um erro gravíssimo! Era o segundo amarelo para o 5, e ele deu para o 3. Foi um erro absurdo?, reclamou Caio Júnior. No segundo tempo, o técnico continuou chiando da arbitragem. Em três lances, pediu pênalti - um em Edmílson, um em Paulo Baier e o outro em David. Aos 43, revoltado, Caio Júnior chegou a entrar em campo para protestar. Acabou expulso pelo juiz. O Palmeiras volta agora suas atenções à Copa do Brasil. Quarta-feira, o time estréia na competição contra o Operário, em Cuiabá. A viagem será na noite deste domingo. Se o time paulista vencer por dois ou mais gols de diferença, elimina a necessidade do jogo da volta. ?Até para evitar mais desgaste físico, é fundamental conseguirmos a classificação já nessa primeira partida?, apontou o técnico Caio Júnior.

Agencia Estado,

10 de fevereiro de 2007 | 20h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.