Torcedor palmeirense não foi autuado

Apesar dos protestos dos comentaristas esportivos com relação à gravidade do ato do torcedor que agrediu o bandeirinha da partida entre Palmeiras e Boca Juniors, válida pelas semi-finais da Taça Libertadores da América e realizada na noite de quarta-feira na capital paulista, a delegada Ana Cristina Fabrício Nucci, da 23ª DP, no bairro de Perdizes, considerou o fato como sendo de menor importância. Desta forma, em vez de autuar em flagrante Wellington de Oliveira Almeida, de 18 anos, por "lesão corporal dolosa" e recolhê-lo à carceragem, preferiu apenas lavrar um "termo circunstanciado", permitindo que ele fique livre e não responda a inquérito.Milhões de telespectadores testemunharam pela TV, pouco antes dos 40 minutos do primeiro tempo, a maneira como Wellington partiu da arquibancada, saltou por sobre uma placa de publicidade e agrediu com um soco e um pontapé o bandeirinha colombiano Daniel Wilson. Dominado por policiais, o torcedor foi levado para fora, mas ao chegar na sala de segurança, já os aguardava a advogada Sílvia Carbonaro Chiarollo, que se apresentou para defendê-lo. Ela pode ter sido acionada por alguma torcida uniformizada, e sua presença pode ter levado a delegada a minimizar a gravidade da agressão.

Agencia Estado,

14 de junho de 2001 | 03h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.