Torcedor que agrediu o goleiro Dida é banido pelo Celtic

Clube escocês toma atitude drástica e torce para não ser punido pela Uefa, que pode tirar mando de jogos

04 de outubro de 2007 | 12h27

A agressão ao goleiro Dida custou caro ao torcedor do Celtic, cujo nome não foi divulgado, que nunca mais poderá acompanhar seu clube no estádio, de acordo com informe do clube em seu website (www.celticfc.net), nesta quinta-feira.  No anúncio, o chefe-executivo do Celtic, Peter Lawwell, deixou claro que o clube não tolera qualquer atitude que venha a denegrir a imagem do clube ou do esporte. "Claramente, o Celtic tomou este assunto com extrema seriedade e é satisfatório que este individual tenha sido identificado. Este individual em questão está banido perpetuamente dos jogos do Celtic, sejam elas realizados em casa ou fora." Com tal atitude, a diretoria do Celtic espera que a Uefa não dê uma punição severa, que poderia resultar na perda de mandos de jogos na competição. "Nossos fãs possuem um histórico positivo de apoio ao clube em casa e fora, algo que é reconhecido tanto pela Uefa quanto pela FIFA, e nós temos certeza que isto [reconhecimentos da entidades] continuará", finaliza a declaração.  O torcedor, de 27 anos, invadiu o gramado do estádio Celtic Park logo após o gol de Scott McDonald, que garantiu a vitória do Celtic por 2 a 1 diante do Milan, nesta quarta-feira, em partida válida pela segunda rodada do Grupo D da Liga dos Campeões da Uefa. Após a agressão, Dida correu atrás do torcedor, mas caiu e teve que sair de campo com o auxílio do departamento médico do Milan. A agressão, no entanto, não teria sido motivo de atendimento médico. Sendo assim, a Uefa investigará o caso e decidirá se o goleiro brasileiro deve ou não ser punido por uma possível simulação.

Tudo o que sabemos sobre:
Liga dos Campeões da Uefa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.