Torcedor verá gols da Copa em táxi

O torcedor brasileiro que não conseguir acordar de madrugada para acompanhar os jogos da seleção na Copa 2002, terá uma opção no mínimo inusitada em cidades como São Paulo: ver o videotape da disputa e os principais gols em taxis. Não que motoristas estejam instalando aparelhos no espaço interno para conquistar passageiros. Esses gols serão vistos externamente, em telas planas e finas instaladas naquilo que é chamado de prisma, que mais parecem bagageiros luminosos presos ao teto dos carros. A iniciativa é da Taximania, empresa de publicidade em taxi dona de uma fatia de 80% desse mercado que movimenta anualmente R$ 25 milhões no País. O diretor-geral da Taximania, Roberto Saddy Chade, acredita que essa será a oportunidade de os patrocinadores e empresas que querem seu nome veiculado à Copa divulgarem suas marcas. Ele teve a idéia ao perceber que, em Nova York, as empresas que exploram esse tipo de propaganda já desenvolveram tecnologia para este tipo de veiculação. Com o aporte de recursos de R$ 5 milhões a R$ 6 milhões do The MVA Group (TMG), um gestor de fundos que reúne bancos e investidores europeus e americanos dispostos a injetar US$ 100 milhões em empresas brasileiras, a Taximania pretende dobrar o faturamento de R$ 10 milhões no ano passado, chegando a R$ 20 milhões este ano. A Copa, diz Chade, abre oportunidade para que a meta seja atingida. Inicialmente, a Taximania irá instalar as telas em 200 taxis, mas esse número pode aumentar se forem fechados novos negócios com patrocinadores. Ele não teme nenhum tipo de problema, seja com prefeituras ou departamentos de engenharia de trânsito, nem o roubo da parafernália hight-tec porque a idéia é circular nos espaços mais usados por consumidores das classes A e B. Com uma frota cadastrada de 30 mil carros e três anos de mercado, a Taximania já surpreendeu muitos ao envelopar taxis, no auge da Internet, com a marca Dotz. Agora, é a vez da TV externa.

Agencia Estado,

06 Março 2002 | 18h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.