Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Torcedores de organizadas invadem CT do Cruzeiro para cobrar jogadores

Na zona de rebaixamento na Série B, time mineiro deve confirmar Sérgio Rodrigues como presidente nesta quarta-feira

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2020 | 11h38
Atualizado 07 de outubro de 2020 | 12h16

Em dia de eleição no Cruzeiro, os jogadores e os membros da comissão técnica foram surpreendidos nesta quarta-feira com uma invasão de torcedores, membros de organizadas, no CT Toca da Raposa II. A Polícia Militar precisou ser chamada para conter os cerca de 30 invasores, que protestaram pela grave situação financeira do clube e pelo fato do time mineiro estar na zona de rebaixamento na Série B do Brasileiro.

Em vídeos divulgados nas redes sociais, é possível ver policiais conversando e impedindo a passagem dos torcedores, já dentro do CT. De acordo com a PM, a invasão ocorreu entre 9h e 10h, quando os jogadores ainda não haviam iniciado o treino, marcado para começar às 9h. Os torcedores não conseguiram ter contato com nenhum atleta ou membro da comissão técnica.

A invasão aconteceu quando um carro entrava no CT. Os torcedores seguraram o portão e adentraram ao local. Acionada, a PM enviou quatro viaturas, com 12 policiais, que retiraram os invasores de forma pacífica. Parte deles se dispersou logo em seguida. Não houve danos materiais ao local e ninguém foi conduzido à delegacia.

O Cruzeiro vai fazer Boletim de Ocorrência. O time iria encerrar sua preparação para o jogo contra o Sampaio Correa, marcado para as 18h30 desta quinta-feira, no Mineirão, em Belo Horizonte, pela 14ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.  O clube divulgou uma nota sobre o assunto.

"O Cruzeiro Esporte Clube repudia e reprova de forma veemente atos de vandalismo como o ocorrido na manhã desta quarta-feira, na Toca da Raposa 2, quando um grupo de torcedores invadiu um dos patrimônios do Clube, local de trabalho de diversos colaboradores que estão tentando, dia após dia, salvar o Cruzeiro da destruição causada pela gestão anterior.

Com comportamento hostil, o grupo de dezenas de torcedores intimidou funcionários do Cruzeiro e danificou o portão de acesso e a porta de entrada do centro de treinamentos, em uma clara demonstração de que não dão o devido valor ao próprio patrimônio do Clube.

As autoridades competentes já foram acionadas e aqueles que causaram danos ao Clube devidamente qualificados para o registro de boletim de ocorrências e demais providências por parte da Polícia Militar.

Os protestos de torcedores são respeitados e considerados legítimos pela diretoria do Cruzeiro, desde que sejam pacíficos e não da forma como ocorreu hoje.

A diretoria do Cruzeiro entende que o atual momento do time no Campeonato Brasileiro da Série B está longe do ideal, mas segue trabalhando firme para que o Clube faça uma campanha de retomada e retorne para seu lugar de direito. E isso só virá com muito empenho, trabalho e dedicação de todos, dia após dia.

Quebrar a porta do CT ou de qualquer sede do Clube e intimidar funcionários que trabalham de forma séria e comprometida nunca serão as melhores saídas para a recuperação do Cruzeiro."

Do lado de fora do CT, foram exibidas faixas assinadas pelo grupo "Trem Azul" com críticas a jogadores, ao técnico Ney Franco e ao presidente Sérgio Santos Rodrigues. "Sérgio, pare com as lives e escute a sua torcida. Menos falatório e mais ação", dizia uma delas. "Ney Franco, não queremos que recupere medalhões. Queremos que recupere o Cruzeiro. Os homens passam, o Cruzeiro fica", afirmava outra.

Convivendo com crises dentro e fora de campo, o Cruzeiro terá sua segunda eleição presidencial neste ano nesta quarta, a partir das 15 horas. Candidato único, Sérgio Santos Rodrigues será confirmado como presidente para o próximo triênio, de 2021 a 2023. Ele estava exercendo o cargo para um mandato-tampão, desde maio.

Tudo o que sabemos sobre:
Cruzeiro Esporte Clubefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.