Reprodução/EI MAXX
Reprodução/EI MAXX

Torcedores do Corinthians são detidos pela polícia após briga no Maracanã

Confusão ocorreu antes da bola rolar no empate com o Flamengo

Mariana Durão, O Estado de S. Paulo

23 Outubro 2016 | 20h15

Quarenta torcedores do Corinthians foram detidos após entrarem em confronto com policiais militares antes da partida contra o Flamengo, na reabertura do estádio do Maracanã, informou o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (GEPE) da Polícia Militar do Rio. Eles foram encaminhados para o Juizado Especial Criminal (Jecrim) no estádio.

A confusão aconteceu dentro do estádio e um policial militar  foi agredido, mas passa bem. As imagens do circuito interno do estádio estão sendo analisadas pela polícia na tentativa de identificar outros possíveis suspeitos envolvidos. Muitos cobriram os rostos com a camisa, para dificultar a identificação.

Em um número bem menor, os PMs não conseguiram conter o ímpeto dos corintianos e a briga se alongou por alguns minutos. Alguns torcedores do Flamengo, pela grade, também arremessavam coisas e tentavam bater nos corintianos. Um pedaço da grade que divide as torcidas foi arrancado. Por causa disso, é possível que haja punição aos clubes envolvidos.

Ao final do jogo, os policiais cercaram os torcedores do Corinthians no setor de visitantes, deixaram apenas as mulheres e crianças saírem e seguraram todos os homens, obrigando cada um a tirar a camisa e levantar o rosto para tentar descobrir se no grupo tinha outros torcedores que tinham participado da agressão aos PMs. A intenção era usar as imagens da televisão para descobrir todos os torcedores que estiveram presentes na confusão. 

A Polícia Militar do Rio informou que atuou com 386 policiais na cobertura partida de futebol no Maracanã. O GEPE estava com 210 policiais na parte interna do estádio e nas revistas realizadas nas entradas e o 4.º Batalhão de Polícia Militar (São Cristóvão) fez o reforço com 176 policiais militares no entorno. Segundo a PM, além desse efetivo, houve ainda o apoio do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq), do Regimento de Polícia Montada (RPMont), do Batalhão de Ações com Cães (BAC) e do Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos (BPGE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.