Claudio Peri / AP
Claudio Peri / AP

Torcedores do CSKA Moscou negam terem causado acidente em escada rolante em Roma

Clube se manifesta e presta ajuda aos torcedores feridos na ocasião

Estadão Conteúdo

24 Outubro 2018 | 12h18

A quebra de uma escada rolante em uma estação de metrô em Roma, na noite de terça-feira, pouco antes do duelo entre Roma e CSKA Moscou, pela Liga dos Campeões da Europa, causou um grande tumulto e deixou pelo menos 20 pessoas, a maioria torcedores do clube russo, feridos. De acordo com informações da imprensa italiana, divulgadas nesta quarta, cinco estão em estado grave em hospitais da capital italiana e uma delas teve uma perna amputada.

Torcedores russos que estavam em Roma nesta terça escreveram em redes sociais que a causa do acidente na escada rolante na estação Reppublica, que passou a funcionar em uma velocidade mais rápida que o normal, fazendo com que diversas pessoas ficassem aglomeradas ao chegar ao nível do solo, não foi provocada por causa dos pulos das várias pessoas que estavam a caminho do estádio Olímpico.

"Não estávamos pulando na escala rolante do metrô de Roma. Estávamos cantando, isso sim, mas não fizemos nada de errado", escreveram torcedores em posts no Twitter, no Instagram e no Facebook, negando a versão dada por Matteo Salvini, ministro do Interior italiano, que muitos russos estavam bêbados e faziam algazarra no local.

Nesta quarta-feira, o CSKA Moscou se manifestou em seu site oficial e afirmou que está prestando toda a ajuda necessária aos torcedores feridos. "Nossa principal tarefa agora é prestar toda a assistência possível às vítimas, nas quais o clube está atualmente envolvido. Isso se aplica ao suporte de visto, substituição de bilhetes perdidos, assistência financeira e assim por diante. Nossos funcionários estão em contato constante com todos que sofreram neste incidente", disse o clube.

Em campo, o CSKA Moscou foi derrotado por 3 a 0 pela Roma, que lidera o Grupo G ao lado do Real Madrid com seis pontos. O time russo está em terceiro com quatro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.