Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Torcedores do Palmeiras tentam invadir arena após derrota e brigam com a PM

Palmeirenses se revoltam durante clássico com o Corinthians, pela final do Paulistão

Estadão Conteúdo

08 de abril de 2018 | 21h30

Policiais militares e torcedores do Palmeiras entraram em confronto, neste domingo, após a decisão do Campeonato Paulista. Revoltado com a derrota para o Corinthians, um grupo tentou invadir o estádio Allianz Parque por um dos portões da avenida Francisco Matarazzo, na zona oeste de São Paulo. Com pedras, latas de cerveja e rojões, torcedores ligados a organizadas atacaram os policiais. A PM revidou com força e conseguiu evitar que os vândalos entrassem na arena.

+ Presidente do Palmeiras ataca a FPF: 'Campeonato estragado, jogado no lixo'

+ Palmeiras recusa premiação de vice do Paulista e promete boicote à FPF

Grades foram destruídas e portões, danificados. A Cavalaria da PM foi acionada e houve muita correria na avenida Francisco Matarazzo. Alguns torcedores tentaram fugir pela rua Padre Antônio Tomaz e foi registrada nova confusão com os policiais.

Pouco antes, a confusão aconteceu a cerca de um quilômetro de distância. Torcedores do Palmeiras depredaram a sede da Federação Paulista de Futebol (FPF). Quando a Polícia Militar chegou ao local, os vândalos já tinham ido embora.

Os torcedores arrancaram um escudo do Corinthians que ficava na grade de proteção na frente da sede da Federação Paulista de Futebol. Também jogaram pedras no prédio da entidade. O vidro traseiro de um carro que estava estacionado dentro da FPF foi destruído. Segundo testemunhas, houve um princípio de confusão. Depois, alguns torcedores tentaram agredir jornalistas que trabalhavam no local.

Os palmeirenses ficaram revoltados com a atuação do árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza. Depois de marcar pênalti do volante Ralf no atacante Dudu, no segundo tempo, quando o Corinthians vencia por 1 a 0, o juiz voltou atrás e anulou o lance.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.