Torcedores do River Plate são processados por assassinato

Gonzalo Acro morreu ao ser atingido por várias balas em confrontro entre torcidas organizadas no clube

25 de janeiro de 2008 | 19h00

O juiz argentino Luis Rodríguez confirmou nesta sexta-feira o processo de quatro torcedores violentos do River Plate, entre eles dois considerados líderes de uma torcida organizada, em uma investigação sobre um assassinato que aconteceu em agosto de 2007. Na mesma sentença, Rodríguez determinou a libertação de outros cinco detidos, informaram fontes judiciais. Porém, foi confirmado o processo dos irmãos Alan e William Schlenker, considerados líderes de uma das facções que disputam o poder na torcida organizada do River.  No dia 15 de janeiro, um tribunal de apelações tinha deixado sem efeito os processos dos detidos neste caso, por considerar que Rodríguez tinha prejudicado o direito de defesa dos acusados ao realizar uma deficiente descrição dos fatos incriminativos ao inquiri-los. Por causa deste episódio, o juiz teve de tomar novamente o depoimento dos acusados e tomou nesta sexta-feira uma nova decisão.  Pelo assassinato do torcedor Gonzalo Acro ainda estão foragidos outros quatro membros da torcida.  Acro, de 29 anos, morreu ao ser atingido por várias balas após vários confrontos sangrentos nos últimos meses entre os dois grupos que disputam o poder da torcida organizada do River Plate.

Tudo o que sabemos sobre:
River Platemorte no futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.