Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Torcedores do Santos picham CT e assustam Ganso com protestos

O jogador está preocupado e temeroso porque a revolta da torcida não está somente na arquibancada

SANCHES FILHO, Agência Estado

30 de agosto de 2012 | 11h46

Os protestos da torcida do Santos contra Paulo Henrique Ganso não aconteceram apenas na Vila Belmiro, onde a equipe foi derrotada por 3 a 1 pelo Bahia, na noite de quarta-feira, em partida válida pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o jogo, torcedores também expuseram a ira ao jogador na saída do estádio e também no CT Rei Pelé, o que assustou ainda mais o meia.

Dentro da Vila, Ganso já havia sido alvo de gritos de "mercenário", "fora, Ganso", além de uma "chuva de moedas". E os protestos continuaram fora do estádio. Na saída dos jogadores do vestiário, o santista voltou a ser xingado e ameaçado. Já no CT do clube, para onde os atletas foram levados após a partida, Ganso também foi alvo de protestos. O jogador, que tem segurança particular, ficou assustado com a manifestação. Por isso, demorou bem mais tempo do que o normal para deixar o local, temeroso pela sua segurança.

Durante a madrugada, o muro do CT do Santos, que expõem imagens de jogadores e momentos históricos do clube, foi pichado com a inscrição "fora, Ganso", além de um cifrão, em suposta alegação de que o jogador seria mercenário. O Santos ainda não se pronunciou oficialmente sobre os protestos da quarta, apesar de o técnico Muricy Ramalho e de os jogadores terem saído em defesa de Ganso após o jogo contra o Bahia. A diretoria também não se manifestou sobre a decisão de reforçar a segurança do jogador.

A crise entre Santos e Ganso não é recente, mas se intensificou nos últimos dias, após o São Paulo revelar interesse em sua contratação. Em entrevista recente, o jogador declarou que "seria um prazer" atuar pelo clube do Morumbi, o que irritou dirigentes e torcedores. Também mesma entrevista, Ganso ressaltou seu compromisso com o clube da Baixada. O contrato vai até 2015.

A diretoria interpretou como um declaração de que ele desejava mudar de time e soltou uma nota oficial em que criticava o jogador, o que pode ter contribuído para inflamar os ânimos da torcida. Como o meia está assustado, os protestos podem influenciá-lo a deixar o clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.