Stringer/EFE
Stringer/EFE

Torcedores presos negam autoria do crime, diz diplomata

Eduardo Saboya afirma que corintianos estão sendo bem tratados no presídio

AE, Agência Estado

22 de fevereiro de 2013 | 20h10

SÃO PAULO - De acordo com o ministro conselheiro da embaixada brasileira na Bolívia, Eduardo Saboya, os 12 torcedores do Corinthians que seguem presos em Oruro, acusados pelo assassinato do garoto Kevin Douglas Beltrán Espada, estão sendo bem tratados no presídio para onde foram transferidos nesta sexta. Segundo o diplomata, os corintianos garantem que não são autores do crime.

"Eles afirmam categoricamente que não foram eles os autores, que querem colaborar, querem ajudar a identificar a pessoa. Garantiram que vão se comportar. Os familiares terão acesso para telefonar e falar com eles. É um momento muito difícil pra eles", relatou Saboya, em entrevista à ESPN Brasil. "Conversei com o diretor do presídio, que disse que vai garantir a segurança deles. Compramos colchões e estamos entregando nas duas celas onde eles vão ficar", contou.

Nesta sexta-feira foi publicado um vídeo na internet onde é possível ver um torcedor corintiano atirando o sinalizador em direção à torcida do San José. Os detidos querem ter acesso a essas imagens para, segundo eles, ajudarem a apontar quem é a pessoa que disparou o sinalizador que matou Kevin.

"Falei com a fiscal (de investigação do Ministério Público da Bolívia, Abigail Saba), que me disse que não teve acesso a esses vídeos. Comentei com ela que os torcedores queriam ter acesso aos vídeos para ajudar a identificar as pessoas e lhes foi negado", comentou o diplomata.

Saboya agora vai aguardar até segunda-feira para dar continuidade à defesa dos brasileiros. "Eu ainda não tive tempo de sentar com o advogado. Vamos agora, com mais tranquilidade, ver qual vai ser nossa estratégia. Pedi à promotora que as investigações avançassem rapidamente e que a gente possa ter acesso ao fundamento do indiciamento. Segunda vamos recorrer da decisão de prisão preventiva, confiando que possamos solucionar esse problema o quanto antes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.