Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Torcedores reprovam serviços do Maracanã no jogo entre Itália e México

Tanto arredores quanto interior do estádio foram criticados

Renato Machado - Seleção Universitária, O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2013 | 12h23

SÃO PAULO - O Estadão perguntou a seus leitores que estiveram presentes no Maracanã para a partida entre Itália e México qual era o saldo da nova estrutura do estádio montada para a Copa das Confederações e Copa do Mundo. No total, 45 leitores deram sua opinião acerca de questões sobre o acesso do público, segurança, alimentação e acomodações. Diferentemente do Estádio Mané Garrincha, que recebeu elogios em alguns aspectos, o estádio carioca não foi bem na opinião dos espectadores.

Nenhum dos aspectos abordados no questionário recebeu a maioria de respostas positivas (“bom” e “ótimo”). Na parte de fora do estádio, as informações de acesso tiveram o pior resultado. Para 71% dos leitores, as sinalizações nos arredores do Maracanã foram reprovadas (13% das respostas as descreviam como “ruins” e 58% “péssimas”). As condições de entrada também não agradaram: 9% dos entrevistados as julgou “ruins” e 60% “péssimas”. Assim como em Brasília, protestos iniciaram as movimentações no entorno do estádio e confrontos entre policiais militares e manifestantes foram registrados.

O torcedor que opinou definiu a segurança externa do Maracanã como “péssima”, em 58% dos casos – 20%, no entanto, julgou o quesito positivamente. Ir ao estádio, mesmo que de carro ou ônibus e metrô, parece não ter agradado o público. As condições de trânsito receberam 66% das respostas negativas, ante 22% de opiniões positivas (11% a julgou “regular”). Já o transporte público foi o quesito com mais respostas negativas: nada menos que 67% das opiniões definiram o serviço como “péssimo” (os 33% restantes ficaram divididos igualmente entre “ótimo”, “bom” e “regular”).

Dentro do estádio, as reclamações seguiram. A acessibilidade do público atingiu 69% de respostas negativas (56% “péssimas” e 13% “ruins”). Enquanto que os banheiros receberam 64% de opiniões desfavoráveis (18% do público ouvido julgou o sanitário como “regular”; “bom” e “ótimo” ficou em 9% cada). A numeração de cadeiras chegou até a receber 24% de respostas positivas (11% “bons” e 13% “ótimas”), mas a maioria definiu a organização como “péssima”, para 60% dos leitores, e “ruim” para outros 7%. Os locais de alimentação dentro do estádio ficaram com o menor número de respostas positivas, apenas 16%. Bares e lanchonetes foram definidos como “regulares” por 18% da torcida ouvida, enquanto que as respostas negativas chegaram a 67%. Sobrou até para o serviço de locução, que foi definido negativamente em 57% das respostas, apesar de ter sido o item com maior porcentagem de respostas positivas: 32%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.