Torcida brasileira recebe músicas novas no Mineirão

A suposta falta de criatividade dos torcedores brasileiros nos estádios se tornou assunto quase tão comentado quanto as partidas da Copa do Mundo. Por isso, papeis e panfletos estão sendo entregues na manhã deste sábado nas proximidades do Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, com a sugestão de músicas a serem cantadas durante o duelo entre Brasil e Chile, pelas oitavas de final da competição.

LEANDRO SILVEIRA E VITOR MARQUES, Agência Estado

28 de junho de 2014 | 12h07

A iniciativa foi tomada por pessoas comuns, mas um dos patrocinadores da seleção também encampou a ideia e aproveita a sanha por novas músicas nos estádios. Afinal, nos três primeiros jogos do Brasil na fase de grupos da Copa, apenas o repetitivo canto "Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor" empolgou os torcedores nas arenas.

Além da distribuição dos panfletos no portão principal do Mineirão, torcedores tentavam puxar músicas para embalar a seleção. Algumas delas eram adaptações de músicas famosas, caso de "Brasília Amarela" do grupo Mamonas Assassinas, que também já foi adotada nos estádios por torcedores do Flamengo e do Internacional.

Mas as músicas que mais empolgavam os torcedores eram aquelas que achincalhavam o ex-jogador argentino Diego Maradona ou o Chile, adversário do duelo válido pelas oitavas de final da Copa. Apesar da provocação, o clima era de cordialidade entre os torcedores da duas seleções antes do jogo no Mineirão.

O número de chilenos presentes ao Mineirão, aliás, foi bem inferior ao das partidas da fase de grupos da Copa, quando a "invasão" de torcedores de seleções da América Latina impressionou nas cidades-sede. Dessa vez, porém, a imensa maioria é de torcedores brasileiros, numa proporção de dez para um.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolMineirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.