Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Torcida chama Ganso de 'mercenário' após jogo com o Bahia

Derrota faz santistas vaiarem o meia, que reclama da ingratidão por tudo o que já fez pelo clube

O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2012 | 21h34

SANTOS - O clima entre o meia Paulo Henrique Ganso e a torcida do Santos azedou de vez nesta quarta-feira, após a derrota de virada na Vila Belmiro por 3 a 1 diante do Bahia. Revoltados, os santistas chamaram o jogador de 'mercenário' e até atiraram moedas wem sua direção, dentro de campo, no caminho do vestiário. Ganso não foi o único a ser criticado depois da derrota, mas como ele está envolvido em uma negociação com o São Paulo (recebeu proposta), sobrou para ele.

"Cansei de dar títulos para a torcida e agora eles me vaiam", reclamou Ganso na saída do gramado. "Já vivi momentos extraordinários como o Santos e agora me chama de mercenário. A torcida é assim mesmo. E logo eu que tenho um dos salários mais baixos do time."

No jogo, Ganso teve atuação ruim, de fato: perdeu uma boa chance de gol no primeiro tempo e na segunda etapa, esteve apático, errando passes. O Santos também ficou bem abaixado do esperado e mesmo em casa, permitiu a virada para o Bahia. A derrota na Vila freia a reação santista no Brasileirão, já que o time vinha de três resultados positivos.

Ganso também não deixou de ironizar o presidente do Santos, Luis Alvaro. O meia disse que quem deve decidir o seu futuro é o cartola. Luis Alvaro disse no fim de semana que não gostou das declarações do jogador sobre o São Paulo. Ganso disse que seria um prazer jogar no clube do Morumbi, mas que tinha contrato com o Santos. "A torcida pediu para eu me manifestar. Foi o que fiz. Antes de ser presidente do Santos, já era um torcedor do time."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.