Torcida da Ponte arma invasão em Guaratinguetá

Empresário paga metade do valor dos 1.400 ingressos colocados à venda para a torcida ponte-pretana

Redação,

15 de abril de 2008 | 19h47

Dona da maior torcida do interior de São Paulo, a Ponte Preta terá o apoio incondicional de seus torcedores no jogo de volta contra o Guaratinguetá, pelas semifinais, do Campeonato Paulista, sábado, no Vale do Paraíba. Dos dois mil ingressos enviados a Campinas, 1.400 já foram vendidos nesta terça-feira, quando começou a venda.O que impulsionou a rápida ação da torcida foi a ajuda de um empresário, mantido anônimo, que subsidiou os ingressos de R$ 40 pela metade do preço: R$ 20. Além disso, a ACIC - Associação Comercial e Industrial de Campinas - encabeçou a campanha para arrecadar fundos à fim de financiar o transporte à torcida. Cada ônibus tem o valor de R$ 1,8 mil. Mas a passagem vai custar a cada torcedor o preço simbólico de R$ 5. "Nós pedimos mais mil ingressos à diretoria do Guaratinguetá, mas ainda não obtivemos uma resposta", garantiu no final da tarde Odair Marcucci, administrador do Estádio Moisés Lucarelli. Ainda é extra-oficial, mas o pedido será negado.Deixando de lado a movimentação da torcida, o técnico Sérgio Guedes comandou treinos em dois períodos. Pela manhã fez um treino técnico no Centro de Treinamento e à tarde houve um trabalho de musculação na academia. O treinamento mais esperado é desta quarta-feira à tarde. Será um tático e que pode servir como ensaio para a formação do time para a semifinal decisiva.O técnico tem dois desfalques: o volante Deda, suspenso com três cartões amarelos, e o meia Elias, que fraturou uma costela e está fora do Paulistão, porque precisa de três semanas para se recuperar. Guedes deve manter o esquema 4-4-2, provavelmente colocando dois volantes para reforçar a marcação: Ricardo Conceição e Raulen. Dessa forma, o meia Renato teria mais liberdade para encostar nos atacantes mesmo porque, segundo Guedes, "a Ponte Preta não sabe jogar sem ser no ataque".O time tem o melhor ataque, ao lado do Palmeiras, com 37 gols, mas desta vez não precisa vencer porque joga pelo empate para ir à quinta decisão do Campeonato Paulista em sua história.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.