Torcida decepcionada em São Caetano

As seis mil pessoas que estavam na Avenida Goiás, uma das principais vias de São Caetano do Sul, não conseguiram esconder a decepção de ver o Azulão perder a final da Taça Libertadores da América nos pênaltis, para o Olimpia do Paraguai. A avenida, que abriga diversos bares e restaurantes, estava interditada para o trânsito entre as ruas Pernambuco e Amazonas, desde as 21h15. "Vim aqui para festejar, mas infelizmente não foi dessa vez", disse o estudante Gabriel Barbosa, de 19 anos. Mesmo com a derrota, um trio elétrico ainda tentava animar as pessoas que continuavam na avenida apesar do frio. O taxista José Vieira, de 43 anos, garantiu que continuará torcendo pelo São Caetano. "Vi o primeiro jogo do Azulão quando tinha 38 anos, não é por isso que deixarei de torcer pelo meu time. Não sou como a maioria dos torcedores." Alguns torcedores que circulavam pela avenida justificaram a derrota do time do ABC dizendo "se até o Corinthians não ganhou a Libertadores, não tem problema nenhum". A balconista Eliana Tavares, de 20 anos, não acreditava no acontecido. "Eles tinham tudo para ganhar a final. Além de deixar eles virarem o jogo, ainda tiveram a coragem de perder dois pênaltis. Acho que terei de ensiná-los." Para outros torcedores, a derrota do São Caetano serviu de motivo para afogar as mágoas e tomar cerveja com os amigos. O contínuo Fernando Cabral, de 19 anos, já havia feito planos caso o São Caetano fosse disputar a final do Mundial Interclubes em Tóquio, mas não poderá realizar o sonho. "Já tinha até comprado o meu bilhete para a estação Liberdade do Metrô, para ver a final junto com os japoneses, mas não vai dar." Mesmo assim, Cabral ainda tem esperança de poder usar o bilhete na próxima Libertadores que o time disputar.

Agencia Estado,

01 Agosto 2002 | 01h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.