Reprodução
Reprodução

Torcida do Botafogo invade CT para 'cobrar' melhor rendimento no Brasileirão

Equipe carioca teve bom início de campeonato, mas caiu de rendimento nos últimos jogos e entrou na zona do rebaixamento

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2022 | 13h36

Alguns jogadores do Botafogo foram pegos de surpresa nesta quarta-feira. Integrantes da principal torcida organizada do clube foram ao CT para cobrar o time pelos péssimos resultados no Brasileirão e a entrada na zona de rebaixamento. Invadiram o local e gritaram com cinco atletas que estavam em processo de reabilitação física e realizando trabalhos com a fisioterapia. O treino da equipe está previsto para o período da tarde desta quarta.

"O que é que está pegando", ouviram Victor Sá, Diego Gonçalves, Kayque, Lucas Fernandes e Del Piage, além de muitos palavrões. Sem ninguém para protegê-los, os cinco jogadores acabaram cercados, intimidados e obrigados a dar explicação por todo o elenco. A ira tinha alguns alvos, como Patrick de Paula, Lucas Piazon e Tchê Tchê, reforços que não estão rendendo o esperado na visão da torcida, além de Chay, remanescente da campanha do acesso em 2021.

São cinco jogos consecutivos sem vitórias - desde os 3 a 1 no Fortaleza na sexta rodada -, sendo quatro derrotas seguidas do Botafogo no Brasileirão, diante de Coritiba, Goiás, Palmeiras e Avaí, com 1 a 0 na segunda-feira. A torcida chamou o técnico português Luís Castro de "burro" e o time de "sem vergonha" após o revés diante dos catarinenses.

"A paciência com quem não tá comprometido com o projeto acabou no Botafogo", foi a mensagem da torcida antes mesmo da invasão ao CT. Apesar da intimidação, não houve violência física contra os assustados jogadores. Mas a exigência é por reação já diante do São Paulo, nesta quinta-feira, no Engenhão.

Os torcedores ainda prometeram retornar para falar com todo o grupo e com o treinador no trabalho desta tarde, com uma comitiva ainda maior. De volta à elite nacional, o temor por nova queda é grande, mesmo com o projeto da SAF do Botafogo ainda estar no começo. "Essa p... é Botafogo, se aceitou jogar aqui comprou a ideia de melhorar a situação do Botafogo. Se tiver jogando mal, tem que aguentar, time grande, time com torcida nacional é assim", disparou um torcedor. O clube não se manifestou até o início da tarde.

O Botafogo publicou uma nota oficial após o episódio, condenando os atos praticados nesta quarta-feira. "O Clube repudia veementemente a forma como funcionários e atletas foram ameaçados, intimidados e hostilizados dentro de um ambiente privado, de trabalho, e no exercício de suas funções. (...) A polícia foi acionada e a equipe operacional está monitorando a situação para que sejam tomadas as providências cabíveis. O Clube aguarda medidas severas dos órgãos competentes. O futebol brasileiro não pode mais se sujeitar a este tipo de episódio, que tem sido recorrente em diversos clubes do país".

Essa pressão desmedida da torcida liga uma luz amarela para o investidor estrangeiro que quer entrar no futebol brasileiro, afirma Eduardo Carlezzo, do Carlezzo Advogados e especialista em SAF. “É muito cedo para falar em afastamento do investidor. Porém, uma repetição de fatos como esse nos três clubes que são SAF pode sim gerar uma sensação de insegurança para futuros investidores e atrapalhar investimentos em outras SAF, pois a lógica empresarial não está acostumada com esse tipo de situação”.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogotorcida organizada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.