Torcida do Corinthians promete protestar

O goleiro Rubinho foi o único a falar sobre o vexame do Corinthians no Paulistão. Disse que entende a frustração da torcida, mas pediu moderação nos protestos que devem acontecer nesta terça-feira. "Homem que é homem conversa, não agride. O torcedor está pedindo um melhor rendimento com razão, mas para nós também é complicado. Eu estou aqui, mas estou envergonhado pelo que aconteceu".Rubinho, que ao lado de Rogério e Rincón, foi poupado pela torcida no domingo, quando o time foi derrotado por 1 a 0 pela Portuguesa Santista, disse que a noite de domingo foi uma das piores de sua vida. "Tenho honestidade. Fui dormir às duas horas da manhã, porque não conseguia. É uma faca de dois gumes. Por um lado, tem a felicidade de ser reconhecido pela torcida do time que você ama e torce. Por outro, tem a tristeza pelos resultados", disse o goleiro, que ainda encontrou uma explicação estranha para o fato de não ter ouvido piadas sobre o vexame. "Minha feição assusta muita gente. A pessoa vê e logo se assusta. Aí não fazem piadas".A Gaviões da Fiel estará presente hoje no Aeroporto de Cumbica para pressionar a diretoria do Corinthians e os jogadores, que embarcarão para Fortaleza, onde o time vai enfrentar o Ferroviário, pela segunda fase da Copa do Brasil.Até ontem, no entanto, não havia nenhuma "convocação oficial" dos integrantes da organizada. "A Gaviões vai se manifestar sobre o que está acontecendo no Corinthians. Não é nada oficial. A torcida vai reivindicar a saída da atual diretoria do clube e protestar sobre a omissão de alguns jogadores", disse Ronaldo Pinto, presidente da Gaviões da Fiel, um dos mais revoltados com a crise.Nem mesmo o dirigente, porém, irá ao aeroporto. "A manifestação da torcida é espontânea, vai ao aeroporto quem puder ir, não vamos obrigar ninguém", completou Ronaldo Pinto.

Agencia Estado,

16 de março de 2004 | 09h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.