Torcida do Internacional vai à Curitiba

A torcida do Internacional promete comprar todos os 4,8 mil ingressos destinados a ela para o jogo contra o Coritiba, no domingo, mas não prevê uma demanda muito superior à oferta. De Porto Alegre vão partir 15 ônibus levando cerca de 700 torcedores. Outros 600 torcedores devem se deslocar em carros próprios, ônibus de linhas regulares e aviões. Os 3,5 mil ingressos restantes ficarão para os colorados que vivem no Paraná e norte de Santa Catarina. A promoção que o Coritiba fez, de vender ingressos a R$ 1 e R$ 2 para sua torcida - benefício que não foi estendido aos visitantes - intimidou muitos colorados. "É preciso lembrar que eles estão em situação desesperadora e que parte da torcida deles pode ficar muito agressiva", constata o torcedor Henrik Baptista, que desistiu de viajar e promete ver o jogo num bar da avenida Goethe, atual ponto de encontro dos torcedores de futebol de Porto Alegre. Entre os que vão enfrentar 11 horas de viagem para percorrer os 711 quilômetros entre Porto Alegre e Curitiba estão o estudante André Flores, de 26 anos, e alguns colegas da Faculdade de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Como sócios de uma torcida organizada eles vão pagar R$ 30, enquanto a passagem das outras excursões, com ingresso incluído, custa R$ 100. "Se for preciso, pediremos dinheiro a amigos e familiares como presente antecipado de Natal, mas nada nos segura aqui", revela Flores, que já foi duas vezes a Buenos Aires para acompanhar o Internacional. Confiante, ele acredita na vitória do time, na derrota do Corinthians e nos seis gols de diferença que o colorado tem que tirar na soma dos dois jogos. "Nós não desistimos nunca e nossa camiseta vai pesar na hora decisiva", acredita. Outro seguidor contumaz do Internacional, o diretor da torcida Camisa 12, Miguel Dagnino, vai avião, mas admite que a mobilização é menor do que em outros jogos do time. "Só neste ano viajamos duas vezes à Argentina, seis a São Paulo e diversas outras vezes a diferentes Estados", relata. "O pessoal ficou com pouco dinheiro". Para compensar, Dagnino acredita que o time terá calorosos encontros com a torcida no aeroporto, quando sair de Porto Alegre na tarde de sábado e quando voltar no domingo à noite, qualquer que seja o resultado. Um grupo de torcedores se mobilizou de outra forma e passou a exibir nos treinos do Beira-Rio o "Troféu Moralidade", que vai entregar ao time que considerar campeão no campo. A intenção é entregar a taça ao Internacional na chegada de Curitiba. Mas é até possível que ela seja remetida ao Parque São Jorge. Os colorados admitem reconhecer o Corinthians como campeão se o time terminar o campeonato cinco pontos à frente do Internacional. Os colorados não reconhecem os quatro pontos que o Corinthians ganhou ao repetir dois dos 11 jogos anulados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Agencia Estado,

01 de dezembro de 2005 | 20h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.