Rafael Ribeiro / Vasco
Rafael Ribeiro / Vasco

Torcida do Vasco é advertida por gritos homofóbicos contra o São Paulo

Árbitro Anderson Daronco paralisa partida e pede ao técnico Vanderlei Luxemburgo que orientasse torcedores a pararem

Redação, Estadão Conteúdo

25 de agosto de 2019 | 20h06

O árbitro Anderson Daronco interrompeu o confronto entre Vasco e São Paulo, neste domingo, em São Januário, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, para advertir a torcida vascaína sobre gritos homofóbicos contra o clube paulista.

Aos 19 minutos do segundo tempo, quando o Vasco vencia por 1 a 0, a torcida local cantava "time de v....." contra o rival. Daronco, então, foi até o banco de reservas e pediu ao técnico Vanderlei Luxemburgo para que orientasse a torcida da equipe carioca a parar com as ofensas.

Imediatamente, Luxemburgo se virou em direção à torcida e, com gestos, pediu que os cantos homofóbicos parassem. O treinador, ajudado pelo lateral-direito Yago Pikachu, foi atendido. "Falei para a torcida ter um pouquinho de calma, porque pode prejudicar o Vasco. Mas como eu ia falar para todo mundo parar? Eu só pedi calma", disse o treinador.

"É um tema muito delicado", comentou Cuca, treinador do São Paulo, na coletiva após a partida. "Tenho esperança que isso seja corrigido também. Quem diria que um dia a gente ia ver um bar que ninguém pode fumar. Todo mundo fumava, até no avião. Eu não acreditava que ia vingar e vingou. Quem sabe a gente possa ter no futuro uns gritos de outras coisas que não sejam homofóbicos."

Na última segunda-feira, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) enviou um ofício aos árbitros e clubes, informando que manifestações homofóbicas nos estádios podem render punições aos clubes, sugerindo que os mesmos façam campanhas educativas junto aos torcedores e atletas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.