Divulgação/Meistriliiga
Divulgação/Meistriliiga

Torcida drive-in, sauna móvel e banheira: como o futebol estoniano reage à pandemia e ao frio

Campeonato local tem telão em estacionamento para torcida acompanhar jogo e manter o isolamento social

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2020 | 13h00

A pandemia do novo coronavírus tem ensinado aos fãs de futebol uma nova maneira de torcer e nesse quesito a Estônia a cada dia se mostra mais criativa. No pequeno país europeu localizado à beira do Mar Báltico próximo da Rússia e da Finlândia, a liga local voltou nas últimas semanas uma curiosa ação do Paide Linnameeskond. Com carros estacionados em um pátio e telão para transmitir o jogo, o clube proporcionou um drive-in para que todos pudessem ver o time em campo. E não é só isso: a Estônia costuma ter alternativas ainda mais interessantes à torcida quando se trata de inverno.

O time estoniano montou um esquema para o jogo dentro de casa em que um pátio a cerca de 500 metros do estádio serviu como um amplo estacionamento. Por lá, o telão passava as imagens da partida enquanto de dentro dos carros os torcedores puderam acompanhar os lances da derrota por 2 a 1 do Paide para o Tulevik sem desrespeitar as normas de isolamento social. Um autêntico drive-in como era nos cinemas de antigamente.

O meia brasileiro Bruno Caprioli joga no Paide Linnameeskond e disse que no país a ideia do clube fez muito sucesso. "O time gostou muito. É um jeito dos torcedores se sentirem perto da gente. É bom sentir que eles estão torcendo", disse ao Estadão. "O Paide é de uma cidade pequena. A torcida espera muito para ter futebol para ter esse momento com a família. Por isso a ideia foi muito bem recebida", acrescentou.

A iniciativa do Paide serve para compensar a necessidade de manter os jogos com os portões fechados como medida de segurança. Essa preocupação, aliás, já levou a outros ideias inusitadas mundo afora. O FC Seul, da Coreia do Sul, colocou bonecas infláveis nas arquibancadas. Na Alemanha, o Borussia Monchengladbach espalhou retratos de torcedores pelos assentos para criar uma atmosfera diferente no estádio.

Caprioli afirma que seria interessante se até mais jogos da liga local tivessem o mesmo formato de torcida drive-in. "Os nossos jogos serão todos com os portões fechados por enquanto. Acredito que vão continuar fazendo o drive-in, sim, para a galera se reunir e torcer. Seria bom se os outros times do campeonato também fizesse o mesmo", afirmou.

SAUNA E BANHEIRA

O jogador brasileiro está há um ano na Estônia e garante que o país sabe como poucos agradar a torcida e amenizar condições desfavoráveis, seja pandemia ou até pelo inverno. Caprioli conta que quando a época mais fria do ano chega, nos estádios há clubes que montam saunas secas móveis e colocam até banheiras de água quente perto do campo para o público se aquecer enquanto o jogo é disputado.

"Nosso jogo em casa o time colocou uma sauna seca. Aí a torcedor entrava, ficava um pouco para se esquentar e depois saía", contou. Certa vez, em uma partida fora de casa contra o Tammeka, o brasileiro presenciou uma cena ainda mais curiosa. "Colocaram duas banheiras próximas à lateral. A torcida fica lá de dentro, bem perto do campo, e gritando na nossa cara. Estava 5ºC e tinha gente na banheira, sem camisa e vendo o jogo. São doidos", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolEstônia [Europa]coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.