Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Torcida faz festa na despedida da delegação do Santos

Centenas de torcedores se aglomeraram em frente ao Complexo Modesto Roma, em Santos

SANCHES FILHO, Agência Estado

05 de dezembro de 2011 | 20h36

SANTOS - O Santos começou no fim da tarde desta segunda-feira a viagem em busca do tricampeonato mundial, mas só chega ao Japão na manhã de quinta. O ponto de partida foi o Complexo Modesto Roma, que reúne o hotel Recanto dos Alvinegros, o Centro de Recuperação de Atletas e o CT Rei Pelé, por onde os jogadores entram e saem todos os dias. Às 15 horas, chegaram os primeiros torcedores, com bandeiras do clube, para desejar boa sorte na disputa do Mundial de Clubes. E assim, nos braços da torcida, a delegação santista partiu para o desafio de ser campeã novamente.

Quando o ônibus deixou o Complexo Modesto Roma, às 17h50, já eram cerca de 200 torcedores fazendo uma enorme festa de despedida. De lá, a delegação foi para o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, sendo seguida em carreata por mais de 20 carros com torcedores. O atacante Neymar e o técnico Muricy Ramalho estavam na capital paulista e se juntaram ao grupo já em Cumbica - o embarque está previsto para acontecer no final da noite desta segunda-feira.

"Estamos começando uma viagem importante e eu, particularmente, espero ajudar o Santos a trazer esse título na volta", disse o meia Paulo Henrique Ganso. Ele foi o último jogador a sair do CT Rei Pelé e a entrar no ônibus da delegação, protegido por três seguranças, falando apressadamente com os jornalistas e sem parar para dar entrevista. Com o astro Neymar não estava por lá, acabou sendo o mais aplaudido pelos torcedores que estavam no Complexo Modesto Roma.

Antes do embarque, alguns jogadores do elenco do Santos não quiseram falar na possibilidade de enfrentar o poderoso Barcelona numa eventual final do Mundial. Antes disso, tem a semifinal contra um adversário ainda indefinido - poder ser Monterrey (México), Auckland City (Nova Zelândia) ou Kashiwa Reysol (Japão). "O pior é que não tem escolha. Qualquer um deles será pedreira", disse o volante Arouca. "Na Libertadores, o Santos estava mais preocupado com os adversários das oitavas de final e quase caímos na primeira fase. Por isso, agora vamos pensar em um jogo por vez", reforçou o goleiro Rafael.

A caminho do Japão, o Santos faz escala de um dia em Frankfurt, na Alemanha, para que os jogadores não sintam tanto o desgaste de uma viagem direta e do fuso horário. Assim, a comissão técnica orienta nesta terça-feira o primeiro treino fora do Brasil, na academia do Hotel Sheraton, na cidade alemã, onde a delegação santista ficará hospedada. E o embarque para Nagoya será apenas na tarde de quarta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.