Torcida faz protesto em reapresentação do Cruzeiro

Os efeitos da eliminação precoce no Campeonato Mineiro foram sentidos nesta quarta-feira pelo Cruzeiro. Três dias após a derrota por 3 a 1 para o Ipatinga, sofrida em pleno Mineirão, pelas semifinais do Estadual, o time se reapresentou na Toca da Raposa e foi recebido com o protesto de uma facção da torcida organizada do clube.

AE, Agência Estado

21 de abril de 2010 | 20h38

Além de pedir a saída do técnico Adilson Batista e a contratação de reforços de peso, os torcedores entoavam cantos como: "Não é mole não, Libertadores agora é obrigação", e "Vergonha, vergonha. Time sem vergonha". Uma reclamação comum também foi o pedido de raça aos jogadores.

O protesto, entretanto, não afetou a rotina dos cruzeirenses, que treinaram normalmente. Antes da atividade, inclusive, Adilson reuniu os jogadores para uma conversa, na tentativa de manter o ânimo do grupo para a disputa da Copa Libertadores.

Garantido nas oitavas de final da competição continental, o Cruzeiro aguarda a definição do seu adversário na próxima fase. Para a sequência da Libertadores, como o time tem o direito de inscrever três novos jogadores, cresce a expectativa pela contratação de reforços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.