Vinnicius Silva/ Porte Imagens
Vinnicius Silva/ Porte Imagens

Máfia Azul, do Cruzeiro, perde regalias e recebe ingressos só fora de MG

Membro da torcida vazou conversa com presidente do clube

Leonardo Augusto, Especial para O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 19h53

Belo Horizonte - O integrante da torcida organizada Máfia Azul, do Cruzeiro, responsável pelo vazamento de áudio em que cobra do presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares, o retorno de regalias que deixaram de ser pagas pelo time para a facção pediu desculpas ao cartola e anunciou que deixará o cargo de diretor que mantinha no grupo. Quik, como é conhecido, fez o comunicado há pouco na rede social Facebook.

Pela assessoria de imprensa, o presidente do Cruzeiro afirmou que vai repassar à Máfia Azul apenas ingressos de jogos do time realizados fora de casa. Por acordo entre os clubes brasileiros, visitantes têm direito a parte do tíquetes, sem custo. Ainda conforme a assessoria, serão esses os ingressos que serão entregues para a Máfia Azul. Outra informação é que a reunião solicitada por Quik, que poderia ser marcada para a semana que vem, não será realizada.

No áudio, Tavares diz que, antes, além de ingressos, a organizada tinha sala paga pelo clube, ônibus para os jogos e empregava integrantes da facção. Em outro trecho, Quick afirma que a organizada é um patrimônio do clube e que o dirigente parece não querer saber da facção. Tavares retruca dizendo que o time está tentando se recuperar financeiramente. "Deixa eu falar pra vocês porque vocês não entendem. O Cruzeiro fez um sacrifício financeiro para ganhar dois títulos. Aí nós ficamos completamente endividados. Estamos pagando dívidas. Ninguém ganha título todos os anos", argumentou o cartola.

Em seu texto no Facebook, Quik diz que não queria prejudicar o time. "Tenho total respeito pelo Presidente e não foi minha intenção denegrir a imagem do Cruzeiro e do Sr.Gilvan, pois é o nosso Presidente e Bi Campeão Brasileiro. Foi um ato covarde de alguém que publicou única e exclusivamente (o áudio) para destruir a imagem da torcida. Para não prejudicar mais a torcida Mafia Azul estou renunciando ao cargo da Torcida. Mais uma vez peço desculpas ao Presidente, pessoa íntegra que sempre teve e tem a intenção de melhorar o nosso amado Cruzeiro Esporte Clube".

O presidente do Cruzeiro vem sendo muito criticado e xingado durante partidas do clube principalmente no Mineirão. O clube, depois de vencer dois brasileiros consecutivos, não faz boa campanha em 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.