Torcida, maior adversário do Palmeiras

Depois de 27 dias sem disputar um jogo oficial - o último foi contra o Criciúma, dia 26 de março, quando venceu por 2 a 1, no Parque Antártica -, o Palmeiras voltará a campo quarta-feira visivelmente assustado com a sua torcida. O time enfrentará o Vitória, em casa, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, temendo a reação da uniformizada Mancha Verde, que no protesto que fez sábado na Academia de Futebol prometeu xingar e vaiar muito o lateral-direito Neném, os zagueiros Índio e Leonardo, os volantes Fábio Gomes e Marcinho e o lateral Alessandro, contratados recentemente. A sorte de Fábio Gomes, Marcinho e Alessandro é que eles não estão inscritos na Copa do Brasil e não entrarão em campo. O zagueiro Índio não consegue disfarçar a tensão por ter de enfrentar a ira dos torcedores. "Vou procurar fazer o meu trabalho sem me preocupar com a reação dos torcedores. Mas é claro que não é fácil entrar em campo num ambiente hostil. O Palmeiras está precisando é de apoio", disse. Embora não esteja na lista de desafetos da uniformizada, o volante Adãozinho dá sinais de irritação com o comportamento dos torcedores. "A única coisa que posso pedir é que tenham respeito com os jogadores do Palmeiras. Todos nós temos famílias e estamos aqui fazendo o nosso trabalho", disse. O meia Zinho, que também tem o apoio da Mancha - quer o incentivo dos torcedores no jogo de quarta. "Vamos jogar no nosso estádio e temos de tirar proveito disso para derrotar o Vitória. Não podemos dar chance para que o nosso adversário tire proveito da insatisfação da nossa torcida. Conheço bem o time do Vitória e tenho certeza de que virá ao Parque Antártica para explorar o nosso nervosismo. Peço que os torcedores tenham paciência. E pelo que eu conheço a Mancha Verde não vai vaiar os jogadores novos", afirmou. Durante a manifestação dos torcedores na Academia de Futebol no sábado, os líderes do movimento telefonaram para Zinho para que ele viesse ao CT palmeirense. Queriam que Zinho falasse em nome dos jogadores. "Só não vim porque estava de viagem marcada para o Rio de Janeiro, onde fui passar a Páscoa. Mas eu entendo a insatisfação dos torcedores. Converso sempre com eles", disse. O lateral-esquerdo Marquinhos sofreu uma pancada na coxa direita no treino de sábado e não treinou hoje. Ele será examinado manhã e, se não puder jogar, será substituído por Adauto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.